quarta-feira, 31 de dezembro de 2008

3... 2...1... Feliz Ano Novo!


Que nesta virada, os abraços apertados não sejam por mera questão de data, mas de sensibilidade e sinceridade, de amor transparente e transbordante.
Que as bençãos da meia-noite não dependam de um segundo somente, mas que venham para toda uma vida - ou duas.
Não vai haver ano novo se você não construir nada. A vida não pausa para recomeçar mais adiante, melhor e mais leve. A barra de viver continua e as obras iniciadas neste ano (no ano passado e no anterior ou há dez, vinte anos atrás) terão continuidade no próximo. Daqui a pouquinho. Daqui a algumas parcas horas.
Por isso, não quero lhe desejar 'Feliz Ano Novo'. Não quero lhe perguntar quais foram as coisas que você incluiu na sua lista de resoluções que faz todos os anos e que não cumpre muitas delas. Eu também faço isso. E hoje reli a minha e descobri que não cumpri nem quatro da forma que deveria ter cumprido. Dei prioridade a outras coisas que, talvez não me tenham trazido tantas alegrias, mas que na hora achei que fossem mesmo mais importantes do que aquelas a que tinha me predisposto. E assim vou acumulando resoluções (talvez seja hora de rasgá-las e continuar uma nova lista, né? Ou nenhuma...).
Não quero lhe desejar 'Feliz Ano Novo'. Quero, sim, é que você tenha forças para continuar o que começou e para iniciar novos projetos. Quero que você lute pelo que achar certo sem importar-se com o que os outros possam pensar. Que você tenha liberdade de escolher o que é melhor para você. Que você faça uso do livre-arbítrio que Deus lhe deu quando lhe presenteou com o dom da vida. Que você consiga alcançar os seus objetivos sem que seja preciso ferir alguém ou criar inimizades.
E quero que se lembre sempre que torço por você.
Não é um desejo para o Ano Novo. É para sempre!


Complemento com Tempo, de Carlos Drummond de Andrade:
TEMPO. . .
Quem teve a idéia de cortar o tempo em fatias,
a que se deu o nome de ano,
foi um indivíduo genial.
Industrializou a esperança
fazendo-a funcionar no limite da exaustão.
Doze meses dão para qualquer ser humano se cansar e entregar os pontos.
Aí entra o milagre da renovação e tudo começa outra vez
com outro número e outra vontade de acreditar
que daqui para adiante vai ser diferente...
...Para você,
Desejo o sonho realizado.
O amor esperado.
A esperança renovada.
Para você,
Desejo todas as cores desta vida.
Todas as alegrias que puder sorrir.
Todas as músicas que puder emocionar.
Para você neste novo ano,
Desejo que os amigos sejam mais cúmplices,
Que sua família esteja mais unida,
Que sua vida seja mais bem vivida.
Gostaria de lhe desejar tantas coisas.
Mas nada seria suficiente...
Então, desejo apenas que você tenha muitos desejos.
Desejos grandes e que eles possam te mover a cada minuto,
ao rumo da sua FELICIDADE!!!

Feliz 2009!!! Para todos nós!

(Meus amigos lindos Felipe e Marcelo, obrigada pela inspiração e por estarem sempre aí quando eu preciso. E quando não preciso também!)

domingo, 28 de dezembro de 2008

Às minhas amigas!

Recebi de uma grande e maravilhosa nova amiga (nos conhecemos este ano, mas parece que somos amigas a vida toda!) um textinho incrível que traduz realmente o que sinto por todas as minhas amigas. Então lá vai:

Quando eu era pequena, acreditava no conceito de uma melhor amiga.
Agora como mulher descobri que se você permitir que seu coração se abra,
você encontrará o melhor em muitas amigas.
É preciso de uma amiga quando você está com problemas com seu homem.
É preciso de outra amiga quando você está com problemas com sua mãe.
Uma outra quando você quer fazer compras, compartilhar, curar, ferir,brincar ou apenas ser. Uma amiga dirá "vamos rezar", uma outra "vamos chorar", outra "vamos lutar" ou "vamos fugir"/”vamos viajar”.
Uma amiga atenderá às suas necessidades espirituais, uma outra à sua loucura
por sapatos, uma outra à sua paixão por filmes, outra estará com você em seus
períodos confusos, outra será a luz e uma outra será o vento sob suas asas.
Mas onde quer que ela se encaixe em sua vida, independente da ocasião, do
dia ou de quando você precisa, seja com seus tênis e cabelos presos, ou para
impedir que você faça uma loucura...todas essas são suas melhores amigas.
Elas podem ser concentradas em uma única mulher ou em várias...uma do
ginásio, uma do colegial, várias dos anos de faculdade, algumas de antigos
empregos, algumas da igreja, em alguns dias sua mãe, em alguns dias sua vizinha,
em outros suas irmãs, e em outros suas filhas.
Assim, podem ter sido 20 minutos ou 20 anos o tempo que essas mulheres passaram e fizeram a diferença em sua vida.
Obrigada a todas que fazem parte do meu círculo de mulheres maravilhosas que fizeram a diferença em minha vida.
Acrescentaria ainda que amo - e muito mesmo - todas elas. E isso é de graça. Eu as amo porque são assim partes de mim. Eu as amo porque, de uma forma ou outra elas estão sempre ali pra mim, não importa a hora, o motivo ou o humor, assim como todas elas sabem que eu também estou sempre por elas. Pra elas. Pro que der e vier. Mesmo na ausência, estou sempre presente e sei que elas também o estão. São amigas de ontem, de hoje, de sempre, de pouco tempo, mas são AMIGAS. Tão amigas que arriscaria um 'irmã' complementando o sujeito. Amigas-irmãs. Amigas que eu escolhi e que me escolheram pra acompanhar nesse caminho longo e tortuoso que se chama VIDA.
Deixo cá um abraço de urso pra cada uma delas e brindo, com toda a certeza, a existência de todas. Agradeço por estarem sempre comigo e peço a Deus que me permita compartilhar com elas todas as experiências - boas ou nem tão boas assim - até o fim de meus/nossos dias.

Lê, Drika, The N. Sisters (Tias Nema, Neiva e D. Nelza - já arranjei um apelido!!! rs), Déia, Ju, Lene, Liana, Vivi e todo o povo de Cafelândia que conheci neste ano e outros que resgatei de um passado remoto, agradeço os ouvidos e a paciência em me aturar numa fase tempestuosa do ser, por me mostrarem que apesar de tudo, as recordações são mais valiosas do que aquilo que não existiu. Guardo a lição pra vida toda! Amo vocês de paixão e o resto é pequeno diante de tudo o que vocês representam pra mim.

Si, Lu, Carlinha, Rafa, Carol, Pê - comigo, sete vezes encrenca! - da facul de jornalismo, companheiras de muita balada, palco e tremedeira no TCC, e champagne pra tudo quanto é comemoração (ainda não esqueci o mico do Almeidinha... rs), valeu cada minuto!!!

Déia (Andy) e Sigrid (acompanharam dois grandes dramas na minha vida, né? Ufa, ainda bem que passou!), Pri, Lu, Tati, Camila, Chris, Cris Ribas, Flavia, Gi, Gloria, Paula, Lari, Thayssa, Tici Maggi (sempre presente, né, guria?) - da facul de Comércio Exterior - muita gastronomia e misturada!

Juju e Clau que se empenharam na minha primeira luta contra o maledeto câncer. Sempre ali mesmo quando o meu humor não era dos melhores e quando eu queria desistir de tudo. Não esqueço jamais a lição de vida de uma anjinha de 12 anos que me visitava sempre e travava a mesma luta que a minha ("um passo de cada vez, um dia após o outro!' Pequena grande mulher que foi ter com Deus antes do tempo. Com certeza foi um anjo que o Papai do Céu me mandou na hora certa!), D. Ciça, auxiliar de serviços gerais do hospital, que sempre tinha uma boa estória pra contar quando o que eu só queria era saber de chorar e que também já está fazendo companhia lá no céu.

Katita e Denise, que acompanharam a segunda luta... com muita fé e paciência e me substituiram à altura em todos os eventos.

As tias postiças que torceram e rezaram muito por mim na última cirurgia (vocês que eu amo muito mesmo e sabem quem são!Looooonge, mas sempre dentro do coração e marcadas na alma).

Ex-sogras, ex-cunhadas e cia limitada, que continuaram a fazer parte da minha existência ainda que o curso do barco tenha alterado. Sempre, sempre queridas.

Nanda (amo tu, perua! Mesmo dividindo o namorado - lembra? - a amizade sempre ficou em primeiro lugar. Irmã de coração pro resto da vida!) e D. Lourdes, mãe e filha, primeiras amigas. Atemporal!!!!

Vivi Ferreira, que foi babá, amiga, mãe, irmã e tudo o mais que se pode se esperar de uma amiga fiel. Companhia de cinema, churrascaria, McDonald's, filme com pipoca e guaraná, brigadeiro de panela, shopping center, música sertaneja e pagodinho (eita, salada de frutas!).

Minha irmã de sangue, Rê, que nem tenho palavras pra expressar tudo o que sinto. Eternas Irmãs Garcia. Reeeeeeeeeeeeeeee! Unidas sempre!!!! Eu sempre estou aqui pra ti, não importa pra quê.

Minhas amigas virtuais, novas e velhas, amigas blogueiras que compartilham as peripécias desta que vos fala, presenças marcantes. Não as conheço fisicamente, mas tenho certeza de que temos algo que nos une além da tela e do teclado. Também estão nas minhas orações.

Assim também é a Ci e LuizA (trocadilho, né?) pra mim, amigas de orkut. Não as conheço, mas compartilho vários gostos em comum. Elas sabem perfeitamente quando estou precisando de uma palavra de força. Encontrei ali a Preta, a Andréia com sua lírica voz maravilhosa e tantas outras que poderia ficar falando durante uma semana.

E tem ainda as novas, essas que surgiram nesses últimos meses e que sem querer fizeram uma diferença enorme na minha existência.

Jana e Fer'dinanda Maria Repolhuda', deixei pra falar de vocês duas aqui, no finalzinho, porque o que eu tenho pra dizer é um tantico longo... A nossa amizade começou assim, bem aqui, no 'haja hoje...', com uma curiosidade da Jana, que veio através do Betão e seu Crystal Líquido e veio pra ficar e virei a 'Gê-mea' dela. A Fezoca (também conhecida como Dra Repolha foi resultado de uma fuçada só no Oscilando Entre a Fantasia e a Realidade. Fui o primeiro comentário. E também veio pra ficar. O encontro foi inevitável. A sincronia perfeita. E juntas criamos os jantares temáticos - ou não temáticos - e o D3 (apelido carinhoso que demos ao blog a três teclados Dommage a trois. Nossas vidas, hoje, seguem enlaçadas e somos as três mosqueteiras: um por todas e todas por uma. Sempre. Não tem hora, não tem assunto, não há mau tempo e estamos sempre ali uma para a outra. Seja pra receber sms às três da manhã da Fer, ligação tarde da noite da Jana ou as duas me atenderem às sete da manhã. Sejam as conversar 'msnênicas' até de madrugada ou mesmo um telefonema que se prolonga noite adentro. Nem que seja pra ouvir o choro uma da outra ou falar sobre leguminosas, tubérculos, saladas, conservas e temperos picantes seja qual for o expediente. Foi com elas que dividi minha epopéia. E foi nelas que me apoiei quando tudo deu errado. Foram elas que dividiram minhas alegrias e que me reergueram numa fase desgraçada que parecia não ter mais fim. Brindamos as derrocadas, as vitórias, as derrotas - nossas - e tenho certeza de que o faremos até escolhermos o mesmo asilo pra morar. Já pensaram nisso? Três velhinhas 'pra frentex', independentes, inspiradíssimas e tremendamente intensas... Coitados daqueles que nos acompanharem, né? Amoooooooooooooooooooooo vocês!

P.S. Não podia terminar o post sem citar minhas internacionais amigas: as americanas Lohan, Jill, Megan, Linda, Ellen, companheiras de estudo; Lisa, Helen e Daysi, companheiras de passarela e fotografia (e outra loucuras mais! Não esqueço nunca a estória da tequila e do elevador! Um dia ainda posto aqui...); as italianas Gio, Claudia, Sofia, Adrielle, (a gente saía escondidinhas pra se empanturrar de calorias e depois dá-lhe exercícios no dia seguinte... coisa de 'modelete' mesmo!),- Lucia e Stelle que vieram depois - companheiras de passarela e fotografia; Chis, Viviene, Hillary, Louise e Cybill (inglesas) da época em que morei fora do Brasil, mesmo longe ainda mantenho contato com algumas. Sempre no coração.

quinta-feira, 25 de dezembro de 2008

Feliz Natal!

E dezembro finalmente chegou e trouxe junto o Natal. Oba!! Nem sei se esse 'oba' foi assim tão verdadeiro, afinal de contas a cidade maravilhosamente decorada - estou em Curitiba, minha terrinha natal amada - se enche de formiguinhas consumistas atrás de presentes pra pai, mãe, tio, sobrinho, afilhada, cachorro, papagaio e afins. Uns poucos se recordam do verdadeiro motivo que nos leva a comemorar a data mais aguardada do ano, que é o nascimento de Jesus. Estão muito ocupados com as compras de última hora pra ajoelhar-se num banco de Igreja e pedir remissão dos pecados ou agradecer o ano que se esvai pelos dedos (pois é, daqui a pouco já é 2009). Putz... tudo bem. Cada qual com suas crenças e idéias.

Natal deveria mesmo ser renascimento, época de agradecer o dom de viver que a gente recebeu e que nem dá tanta bola assim, esquecer as desavenças e tratar de buscar a reconciliação. Tentar, ao menos. Isso não é lá tarefa muito fácil, não. Perdoar, então, é divino. Difícil demais pra meros mortais como nós. E eu nem sei se quero mesmo perdoar o mal que me fizeram. Talvez seja mais fácil - ou não - deixar assim. Eu não falo nada. O outro não fala nada. E a vida continua. Diferente, sangrada, mas continua. Uma hora, quem sabe, eu esqueça em um canto qualquer da memória que não corra o risco de retornar assim fácil pro consciente. Gostaria muito de dizer que deletei as coisas ruins, mas ainda não consegui chegar nessa fase - e pelo jeito vai longe.

Difícil dizer o último Natal realmente feliz que passei. Talvez tenha sido aquele, na infância, aqui em Curitiba mesmo, na casa de meus pais, onde o meu sonho era ganhar uma Barbie cheia de acessórios, mas se não ganhasse estava tudo bem também. No fundo a gente nem ligava muito pra presente, o que importava era que estava todo mundo ali, junto. Talvez porque nem sempre isso era possível, por causa das viagens deles à Antártida (pais cientistas, ausência na certa!). Ou mesmo antes de sair de casa, com meu pai cantando Jingle Bells, subindo e descendo a escada de casa, gastando o caminho da cozinha pra sala de jantar... Lá em casa o costume era outro. Fazia-se a ceia, confraternizava-se, cantava-se, orava-se muuuuuito e depois disso tudo, a gente ia dormir, sonhando com o Papai Noel... imaginando se, no dia seguinte, a gente ia encontrar tudo aquilo que tinha pedido debaixo do pinheiro canadense enorme, verdinho e natural, enfeitado cuidadosamente pelo meu pai. A véspera, pra nós, era motivo de confraternização, de reflexão, de oração e agradecimento. E era no dia seguinte, no Natal mesmo, dia 25, de manhã bem cedinho, que abríamos os presentes. E depois, tinha a missa da manhã e o almoço no salão paroquial. Às seis da tarde, tinha o café com as freiras carmelitas, lá em casa também, que me faz muita falta. Eram divertidíssimas! E a teologia toda que a gente discutia durante o tal café era uma troca riquíssima de conhecimentos. E era uma delícia.

Tenho saudades dos Natais na casa do Vô Guilherme e da Vó Helena, lá em Jaraguá do Sul ou lá em Armação, casa cheia, muito vinho, muita música, uma confusão só, mas muita alegria também. E ainda tinha a hora da música italiana cantada pelo vô, ele me ensinando a dançar valsa e minha vó enchendo a mesa de coisas maravilhosas! A louça especial de Natal, a toalha nova, roupas alinhadas... que saudades daquela bagunça toda!

Hoje, o antes é mais gostoso que o durante. A preparação é uma festa. Mas o dia em si é melancólico. Sei que não deveria ser assim. É um tremendo erro, mas aquelas pessoas que eu gostaria que estivessem comigo ontem e hoje, não estiveram por motivos que nem vem ao caso no momento. Meus pais, infelizmente não puderam comparecer porque não conseguiram sair de Armação em tempo, minha irmã, agora tem mais uma grande família agregada. E eu me agreguei a outra grande família de tradições fortes, mas o 24 é mais importante que o 25. E nesses onze anos de convivência ainda não consegui sentir aquilo que sentia ao passar o Natal na casa de meus pais. Eles nunca foram de grandes festas, bailes e outros fru-frus, mas tinha alguma coisa tremendamente inocente, sem confusões, sem brigas, sem atritos, muita emoção e sinceridade que eu não consegui encontrar em lugar nenhum.

É difícil focar no real motivo da data mesmo. Mas não por motivos comerciais. Falo por mim, não pela maioria. É difícil porque me dá mesmo uma baita nostalgia e uma sensação de que falta alguma coisa gigantesca. E eu ainda não consegui descobrir o que é. Bom, talvez até tenha descoberto, mas faltou coragem pra admitir. Ou assumir. Ou seja lá o termo que se use pra essas coisas. Só sei que é um vazio enorme que não consigo preencher, por maior que seja o malabarismo que faça.

Será que um dia passa? Não sei. Enquanto isso, só me resta desejar um Feliz Natal a todos e parabéns ao maior aniversariante de todos os tempos: Jesus Cristo.

La festa più bella dell'anno segni nei vostri cuori pace amore e serenità.

O que me faz amar um homem

por Ailin Aleixo

Eu realmente acreditava que o que me fazia amar um homem era a inteligência. Elucubrações e digressões me impressionavam. Conhecimentos literários, artísticos, práticos seduziam a eterna adolescente em mim. Mas descobri que não era isso que me fazia amar: de nada adianta um cérebro invejável, citações brilhantes, se ele não rir das próprias besteiras, se não souber aproveitar as delícias do ócio de um sábado quente. Então percebi: bom humor era essencial.

É delicioso estar com alguém que vive sem arrastar correntes e faz dos pequenos horrores cotidianos inevitáveis piadas. Só que nem tudo é uma piada e, em certas horas, quero alguém que me conforte a alma. Nesses momentos, nada pior do que ser levada na brincadeira - existe uma imensa diferença entre a alegria de viver e a recusa a sair da infância. Então fui invadida pela certeza de que o que me fazia amar alguém era, antes de tudo, a sensibilidade.

Telefonemas de bom-dia, olhares que vêem, pequenos gestos incontidos - tudo o que eu podia querer. Ou quase. Só sobrevive ao meu lado alguém que grite comigo quando eu passar dos limites do bom senso, demonstre desagrado quando eu exigir demais e oferecer de menos. Preciso ser cuidada, mas preciso da certeza de estar com um homem de verdade e não com um moleque preso no complexo de Peter Pan. Quero ser domada, tomada.

Nem inteligência, bom humor ou sensibilidade me faziam amar alguém. Talvez fosse virilidade.

Mal abrir a porta da sala e ser consumida por beijos. Ter a roupa arrancada no caminho da cozinha. Ser desejada com urgência é um dos maiores elogios que uma mulher pode receber, mas só ser desejada de nada adianta: quando acaba o suadouro, o que resta? Se o que interessa é a movimentação, tudo bem. Mas se existe a possibilidade de ser esmagada pelo vazio de sentido após o orgasmo, de nada vale. Pelo menos se não vier acompanhado de cuidado, carinho. Pensei, então, que ele seria a pedra fundamental pra despertar meu amor. Mas carinho é um sentimento abrangente demais: nos invade desde a visão de um cachorro abandonado até a palavra confortadora de um desconhecido.

Um dia, cansei de tentar adivinhar. E, nesse dia, após tantas enumerações paralisantes e neuróticas, descobri. Hoje sei exatamente o que me faz amar um homem: o amor existir.

Quando é necessário justificá-lo, procurá-lo, racionalizá-lo, é sinal de que ele não está ali.

Simples assim.

Texto maravilhosamente recordado pela Jackie. Definitivamente é daqueles que eu poderia ter muito bem escrito... Santo pensamento universal!!

quarta-feira, 24 de dezembro de 2008

Farpa Cortante

O Rappa

Não falta a marca da crise
o pé incomoda com o furo
eu quase encosto no muro
no lado de cá, no lado de cá da vitória
no escuro, o teto é a laje
acende e apaga, apaga a fogueira
no charco molhado, de papelão
coberto de fogo, da brasa na fogueira
na brasa da fogueira
no escuro, o teto é a laje
acende e apaga a fogueira
no charco molhado, de papelão
coberto de fogo, apaga a fogueira
convivência é áspera e amarga
o encosto, além do prudente
no úmido e frágil caminho
eu não tenho meu pai, eu sou sozinho
a vida emprestada no crime
na sombra, longe do firmamento
sem choro, no estrilo, sem choro não há tempo
a lata com farpa cortante

"Você andar com um furo no sapato, conseguir driblar umas situações... Quando você abre a lata, você não vai achando que vai cortar o dedo, mas se você displicente, se não for um cara atento... a vida é tirada nos detalhes...a bala que passa rasante que passou pela janela e você falou 'Nossa! Vou dormir no chão porque...'"
Falcão


Pois é, a vida é feita de detalhes. E são esses malditos - ou benditos - detalhes que fazem mesmo a diferença! Um sinal que você deixou de ver num segundo de um dia qualquer, arruina os outros 364 dias do ano - ou o resto dos seus dias, quem sabe? E quer mesmo saber qual é o maior problema? É que somos cegos na maior parte do tempo. Somos cegos porque não temos tempo pra perder com detalhes ou não queremos enxergar. Às vezes dói menos se fecharmos os olhos e fingirmos que está tudo bem... Ledo engano. A dor não diminui não, extraordinariamente, aumenta. A dor fica ali, latente, esperando o pior momento pra vir à tona e destruir o que restou da carcaça do ser. Infelizmente, não há outra verdade senão a de que somos sempre só nós e Deus. Estamos sempre sozinhos, porque ninguém pode caminhar por ninguém. O nosso caminho é a gente que faz. O destino pode até estar lá, mas somos nós que o fazemos a cada amanhecer. E esse destino a gente muda a cada segundo, a cada atitude, a cada pulsar. E nos resta arcar com as consequências do caminho que a gente traça nessa estapafúrdica confusão que é a vida. Cheia de sinônimos e antônimos.

A gente pode ser qualquer coisa. Desde que acredite nisso!

Nem ia comentar nada, mas e deu pra segurar os dedinhos aqui fora do teclado? Caraca! O Rappa faz parte da trilha sonora da minha vida sim. E muito. Esse mix de criatividade que cada um deposita na criação de suas músicas é impressionante! A sincronia é perfeita. São pequenos (gigantes) emaranhados de letras sangrados da conjunção pulsante. O sangue que corre em suas veias é bem vermelho. Vermelho vivo. Intenso. Perfeito. E isso só confirma aquilo que vemos no palco: mostra que há um coração pulsante que sangra muuuuuito a cada batida de som.
Quem faz o que gosta, faz direito, faz perfeito. Quem faz o que gosta, tem respeito. E se dá respeito. Quem sabe o que faz, vai longe. Atravessa barreiras, amplia os horizontes e não se limita.
Parabéns. Vocês vão e eu também viajo junto. Quem disse que não existe o tal pensamento universal???

Fui!

sexta-feira, 5 de dezembro de 2008

Pequeno Conto Chinês

Conta-se que por volta do ano 250 A.C, na China antiga, um príncipe da região norte do país estava às vésperas de ser coroado imperador mas, de acordo com a lei, deveria se casar. Sabendo disso, ele resolveu fazer uma "disputa" entre as moças da corte ou quem quer que se achasse digna de sua proposta.

No dia seguinte, o príncipe anunciou que receberia, numa celebração especial, todas as pretendentes e lançaria um desafio. Uma velha senhora, serva do palácio há muitos anos, ouvindo os comentários sobre os preparativos, sentiu uma leve tristeza, pois sabia que sua jovem filha nutria um sentimento de profundo amor pelo príncipe.

Ao chegar em casa e relatar o fato à jovem, espantou-se ao saber que ela pretendia ir à celebração, e indagou incrédula:

- Minha filha, o que você fará lá? Estarão presentes todas as mais belas e ricas moças da corte. Tire esta idéia insensata da cabeça; eu sei que você deve estar sofrendo, mas não torne o sofrimento uma loucura.

E a filha respondeu:

- Não, querida mãe, não estou sofrendo e muito menos louca, eu sei que jamais poderei ser a escolhida, mas é minha oportunidade de ficar pelo menos alguns momentos perto do príncipe, isto já me torna feliz.

À noite, a jovem chegou ao palácio. Lá estavam, de fato, todas as mais belas moças, com as mais belas roupas, com as mais belas jóias e com as mais determinadas intenções. Então, inicialmente, o príncipe anunciou o desafio:

- Darei a cada uma de vocês, uma semente. Aquela que, dentro de seis meses, me trouxer a mais bela flor, será escolhida minha esposa e futura imperatriz da China.

A proposta do príncipe não fugiu às profundas tradições daquele povo, que valorizava muito a especialidade de "cultivar" algo, sejam costumes, amizades, relacionamentos, etc...

O tempo passou e a doce jovem, como não tinha muita habilidade nas artes da jardinagem, cuidava com muita paciência e ternura a sua semente, pois sabia que se a beleza da flor surgisse na mesma extensão de seu amor, ela não precisava se preocupar com o resultado.

Passaram-se três meses e nada surgiu. A jovem tudo tentara, usara de todos os métodos que conhecia, mas nada havia nascido. Dia após dia ela percebia cada vez mais longe o seu sonho, mas cada vez mais profundo o seu amor. Por fim, os seis meses haviam passado e nada havia brotado. Consciente do seu esforço e dedicação, a moça comunicou à mãe que, independentemente das circunstâncias, retornaria ao palácio, na data e hora combinadas, pois não pretendia nada além de mais alguns momentos na companhia do príncipe.

Na hora marcada estava lá, com seu vaso vazio, bem como todas as outras pretendentes, cada uma com uma flor mais bela do que a outra, das mais variadas formas e cores. Ela estava admirada, nunca havia presenciado tão bela cena.

Finalmente chega o momento esperado e o príncipe observa cada uma das pretendentes com muito cuidado e atenção. Após passar por todas, uma a uma, ele anuncia o resultado e indica a bela jovem como sua futura esposa. As pessoas presentes tiveram as mais inesperadas reações. Ninguém compreendeu porque ele havia escolhido justamente aquela que nada havia cultivado. Então, calmamente o príncipe esclareceu:

- Esta foi a única que cultivou a flor que a tornou digna de se tornar uma imperatriz. A flor da honestidade, pois todas as sementes que entreguei eram estéreis.

Moral: Uma tentativa frustrada pode ser o início de uma caminhada de sucesso e alegria.
Minha versão: Cedo ou tarde, as máscaras caem e a verdade vem à tona. Falta de caráter não tem remédio.


P.S. Desconheço o autor. Mas meu avô me contava essa estória sempre que tinha uma oportunidade.

terça-feira, 2 de dezembro de 2008

"Sou um só, mas ainda assim sou um.

Não posso fazer tudo, mas posso fazer alguma coisa. E, por não poder fazer tudo, não me recusarei a fazer o pouco que posso."
Edward Everett Hale (1823-1909), clérigo e escritor norte-americano.

segunda-feira, 1 de dezembro de 2008

...estou procurando, estou procurando.


Estou tentando me entender.
Tentando dar a alguém o que vivi e não sei a quem, mas não quero ficar com o que vivi.
Não sei o que fazer do que vivi, tenho medo dessa desorganização profunda.
Clarice Lispector

domingo, 30 de novembro de 2008

S.O.S. Santa Catarina


Para visualizar os dados, favor clicar na foto. Abaixo outra conta confirmada:

FUNDO ENCHENTE 2008 SC
Banco: 041 - Banrisul
Agência: 0131 - Blumenau
Conta: 06.852725.0-5
CNPJ: 92.702.067/0150-37
(Lica, obrigada pela
confirmação dos dados!)

Aproveito o post pra agradecer a todos os Estados que estão trabalhando em prol desse nosso Estado maravilhoso de Santa Catarina! Em especial agradeço os amigos de Cafelândia e Curitiba , no Paraná - amo muito todos vocês!! - que tem dedicado muito de seu tempo em prol dos que perderam tudo aqui na região do Vale de Itajaí.

Ainda tenho fé na humanidade. E essas atitudes mostram o quanto estou certa. Com fé em Deus, auxílio de todos e muita força de vontade iremos, sim, reconstruir o que foi devastado pela força da natureza!

Um beijo carinhoso no coração de cada um de vocês. Juntos somos um!

quinta-feira, 27 de novembro de 2008

A de 83 foram só fotos... essa tá doendo a alma!

Rodrigo Stüpp, loiro baita amigo, também jornalista, sobre a tragédia aqui em Blumenau, na minha página de recados do orkut.
É. E bota doer a alma nisso!

quarta-feira, 26 de novembro de 2008

Aquele que não conhece a verdade é simplesmente um ignorante, mas aquele que a conhece e diz que é mentira, este é um criminoso.

Bertold Brecht

Muitas das grandes realizações do mundo foram feitas por homens cansados e desanimados que continuaram trabalhando

Primeira vez que aparece alguma coisa inteligente naquela tal de sorte do dia do orkut...

P.S. Apesar de estar nos marcadores desde a época do post, vai aí o autor da inteligentíssima frase: Kléber Novartes (post complementado em 5/06/2009). Kléber, desculpa por não ter dado os créditos no post, falha minha mesmo, falta de atenção pelo desânimo total do dia em que postei isso. Se percebeu todos os posts onde há citação, dou os devidos créditos; infelizmente, não o fiz nesse. Peço desculpas novamente e corrijo o erro.

quinta-feira, 20 de novembro de 2008

'Isso tudo não pode ser em vão.'

Drª Repolha in: http://drarepolha.blogspot.com/2008/11/de-onde-mais-se-espera.html

Ferdinanda Maria Repolhuda - desculpa, mas não resisti! (rs) - Confesso que... não sei (acho que ultimamente nem tenho tido lá muita certeza de grandes coisas, mas...). Cheguei mesmo a pensar assim durante décadas, mas acho que fui tão escaldada nesses últimos anos que hoje concluo que o 'vão' é que foi, o resto não foi. Explicação? Já tentei. Pela lógica, pela emoção, pela racionalidade do ser, pela fé e por tudo o mais que você que me lê aí do outro lado possa imaginar. Num misto de sudoku com caça-palavras digno de teste pra FBI, não conclui nada. Ficou foi um emaranhado de palavras malditas, não ditas e muita mágoa pra uma pessoa só. Ficou a indiferença, o descaso e a falta de consideração. Ficou o vácuo de sempre. Ficaram um monte de lembranças confusas. Confusas porque não dá pra saber se foi de fato real ou um monte de teatralização banal da projeção humana que nem era mesmo de verdade. Era coisa minha mesmo. Surgiram visões distorcidas de realidade desconexa como numa bad trip.
Espanto-me com a imensidão de pinceladas perfeitas com as quais moldei minha obra de arte mais valiosa na qual dediquei os melhores anos da minha vida, da qual escorre o escarlate mais puro do que carrego em mim. Projetei a luz, mas não vi que as sombras eram muito mais poderosas do que jamais poderia imaginar.
Repaginei-me em vão. Rasguei as folhas. Queimei. Renovei-me, mas o caos já tinha tomado conta de tudo. A esperança parca que restara, já se esvai no vento do norte, frio, seco, 'infértil', ausente de tudo, mas presente de dor, dúvidas e descrenças. O cristal quebrou-se. E a pérola a criar-se, perdeu-se na maré da desilução.

Numa visão torpe de sentimentos, agarrei-me ao que tinha de mais valioso.
E era nada.
Nada além de um oco, um eco daquilo que batia dentro de mim...
Um eco oco. Um oco nada.
in: http://atravesdosolhosdaalma.blogspot.com/2008/11/amarras.html

quarta-feira, 19 de novembro de 2008

Quem você prefere: Morticia Addams ou Lily Monstro?

A Família Monstro era uma família legal, o Pai Herman Monstro, natural da Alemanha, era filho de um certo Dr. Frankeinstein; Lily Dracula Monstro, era a esposa devotada, Lily era vampira nas horas vagas. Vovô era uma doce pessoa de 300 e tantos anos e também um cientista maluco. Os filhos eram interpretados por Eddie, um garoto de 10 anos com as orelhas pontudas, os dentes afiados e a pele verde. E, Marilyn a ovelha negra da família, mas nem por isso menos amada. A moça era loira, tinha olhos verdes e era uma gata, ou seja, uma monstra aos olhos deles!

Gomez e Mortícia tem um casal de filhos como eles. Wednesday (Wandinha) é uma menina sádica e um tanto quanto soturna, que adora brincar com seu desmiolado irmão Pugsley (Feioso), submetendo-o a vários tipos de tortura... e ele adora!
Na mansão Addams ainda moram a vidente Vovó Addams (que uns dizem ser mãe de Mortícia e outros de Gomez, mas não se sabe ao certo) e o tio Fester Addams (Tio Chico no Brasil), o irmão de Gomez, que se perdeu da família quando jovem e os reencontrou depois de adulto, além de ser especialista em explosivos. Não se pode esquecer do mordomo Lurch (Tropeço), que mais parece um Frankenstein e do Coisa (Mãozinha).
Quem também dava as caras sempre era o Primo Itt, que além de membro influente do governo era literalmente uma montanha de cabelos em pessoa.Os principais "inimigos" dos Addams eram seus vizinhos da casa ao lado, a família Lohman-Myers, composta pelo patriarca Norman (que se auto-intitula "o maior fabricante de cuecas e roupas-de-baixo da região), sua esposa Dorina e o filho Norman Jr. Mas diferente de seus pais, Norman Jr. era amigo e confidente dos Addams e se dava muito bem com seus horripilantes vizinhos.

P.S. Só pra não esquecer. E eu também.
Qualquer semelhança é mera coincidência, viu dona Jana e Ferdinanda Maria? Ah, só pra constar. Quem sabe, entende bem! (rs)

terça-feira, 18 de novembro de 2008

Lo que no tiene remedio no tiene solución y, además, es imposible.

Sábias palavras do meu querido irmão de coração, O Espanhol.
Não preciso dizer mais nada além de que estou trabalhando para isso avidamente. Agora nada, absolutamente mais nada há de me segurar!
Pensando bem, será que um dia teve? Hummm... boa questão!

segunda-feira, 17 de novembro de 2008

A honestidade é a melhor política.

Dr. Franklin

A vida na época de Cristo

Estive pensando muito nessa coisa de como as pessoas viviam na época de Cristo. Não sei se gostaria de estar lá pra conferir não. O primeiro ponto desfavorável é que mulher era 2ª classe, muitas vezes artigo comercializado em feira aberta. Mulher de inimigo então... já devem imaginar no que se transformava. Graças a Deus vivo nesta época! Tive a oportunidade de estudar, posso criar, tenho direito de ir e vir sem ter que chamar marido nenhum de 'meu senhor e meu amo' . Casavam ainda crianças e passavam a juventude e maturidade parindo. Aos vinte tinham uma carga física de 50. Fora muitos outros detalhes que prefiro deixar de fora.

Tenho, graças, a opção de escolher entre a ignorância e a intelectualidade. Posso ler o que quiser, quando quiser, como quiser. Vou à missa não por obrigação, mas porque gosto, porque quero e porque, acima de tudo CREIO. Tenho cá minhas rusgas com Deus porque há tempos ele não me dá trégua alguma. Deve ter lá seus motivos - juro que prefiro crer nisso, mas...

Voltando ao assunto, os cristãos sempre foram perseguidos, lógico, mas perseguiram muito também - além do preconceito mortal às outras religiões, mesmo naquela época. A própria Igreja não era lá flor que se cheirasse. Povo temente a Deus? São os mesmos ontem e hoje. Oras, quem crê, teme . Ou não? Violência sempre existiu. E naquela época era ainda pior visto o tipo de pena pra quem roubava ou matava ou saía dos prumos... pendurado na cruz, dado aos leões e por aí vai. Mulher adúltera? Apedrejada em praça pública. E isso é só o começo. Imagine-se diante de uma multidão gritando: - Soltem Barrabás! Crucifiquem Jesus Cristo! - dá pra sentir até o último pêlo ouriçando, não dá? E isso era regra. Não exceção. Quer ter alguma parca idéia? Procure Serra Leoa, Libéria, Nigéria, Congo, Angola e pesquise sua história no século XX e verá o que era a Palestina do ano XXX.

Conclusão? O homem nunca valeu nada mesmo. Nem ontem e nem hoje. Mas creio que, socialmente, melhoramos muito - e como! O resto? O resto é blá-blá-blá.

Tudo é uma questão de caráter: ou se tem ou não se tem. Aqui não há meio-termo.

Não tenho nem como descrever, visto que não sei. Diante do que ouvi - ou melhor - não ouvi. Prefiro a reclusão à falsas promessas.

domingo, 16 de novembro de 2008

Dossiê do Jason


Perfil de um novo amigo do orkut. Ah, esqueci de contar, né? Eu tenho cá uma mania braba de 'lalar' uns textos vez ou outra. O teu tinha que constar aqui.
Se contarmos todos os filmes da série, Jason já:

Matou 146 pessoas;
Pendurou 85 de seus cadáveres em tetos ou árvores;
Levou mais de 100 tiros, foi esfaqueado 26 vezes, levou 5 machadadas, foi atropelado por um trator e um carro, soterrado por um telhado, foi atingido por vasos, um sofá, alguns pedaços de madeira, duas cadeiras, livros, uma estante, uma televisão, foram fincados ao longo do seu corpo 15 barras de ferro, perdeu 4 dedos da mão direita, foi afogado em lixo tóxico, foi explodido, foi criogenizado, eletrocutado (por fio de poste e por trilho de metrô)... e sobreviveu.


Visto por esse lado, até que não ando tão mal assim: hei de sobreviver.

20 Conselhos Saudáveis

Publicaram recentemente um compêndio com 20 conselhos saudáveis para melhorar a qualidade de vida de forma prática e habitual:

Um copo de suco de laranja diariamente para aumentar o ferro e repor a vitamina C. O futuro está na laranja, que reduz em 30% o risco de câncer de pulmão.

Salpicar canela no café (mantém baixo o colesterol e estáveis os níveis de açúcar no sangue).

Trocar o pãozinho tradicional pelo pão integral que tem quase 4 vezes mais fibra, 3 vezes mais zinco e quase 2 vezes mais ferro que tem o pão branco.

Mastigar os vegetais por mais tempo. Isto aumenta a quantidade de químicos anti-cancerígenos liberados no corpo. Mastigar libera sinigrina. E quanto menos se cozinham os legumes, melhor efeito preventivo têm.

Adotar a regra dos 80%: servir-se menos 20% da comida que ia ingerir. Evita transtornos gastrintestinais, prolonga a vida e reduz o risco de diabetes e ataques de coração.

Fazer refeições coloridas como o arco-íris. Comer uma variedade de vermelho, laranja, amarelo, verde, roxo e branco em frutas e verduras, cria uma melhor mistura de antioxidantes, vitaminas e minerais.

Comer pizza. Mas escolha as de massa fininha. O licopeno, um antioxidante dos tomates que acompanha a maioria das pizzas, pode inibir e ainda reverter o crescimento dos tumores; e ademais é melhor absorvido pelo corpo quando os tomates estão em molhos para massas ou para pizza.

Limpar sua escova de dente e trocá-la regularmente. As escovas podem espalhar gripes e resfriados e outros germes. Assim é recomendado lavá-las com água quente pelo menos quatro vezes à semana (aproveite o banho no chuveiro), sobretudo após doenças quando devem ser mantidas separadas de outras escovas.

Realizar atividades que estimulem a mente e fortaleçam sua memória. Faça alguns testes ou quebra-cabeças, palavras-cruzadas, aprenda um idioma, alguma habilidade nova. Leia um livro e memorize parágrafos.

Usar fio dental e não mastigar chicletes. Acreditem ou não, uma pesquisa deu como resultado que as pessoas que mastigam chicletes têm mais possibilidade de sofrer de arteriosclerose, pois tem os vasos sanguíneos mais estreitos, o que pode preceder a um ataque do coração. Usar fio dental pode acrescentar seis anos a sua idade biológica porque remove as bactérias que atacam aos dentes e o corpo.

Rir. Uma boa gargalhada é um mini exercício físico: 100 a 200 gargalhadas equivalem a 10 minutos de corrida. Baixa o estresse e acorda células naturais de defesa e os anticorpos.

Não descascar com antecipação. Os vegetais ou frutas, sempre frescos, devem ser cortados e descascados na hora em que forem consumidos. Isso aumenta os níveis de nutrientes contra o câncer.

Ligar para seus parentes/pais de vez em quando. Um estudo da Faculdade de Medicina de Harvard concluiu que 91% das pessoas que não mantém um laço afetivo com seus entes queridos, particularmente com a mãe, desenvolvem alta pressão, alcoolismo ou doenças cardíacas em idade temporã.

Desfrutar de uma xícara de chá. O chá comum contém menos níveis de antioxidantes que o chá verde, e beber só uma xícara diária desta infusão diminui o risco de doenças coronárias. Cientistas israelenses também concluíram que beber chá aumenta a sobrevida depois de ataques ao coração.

Ter um animal de estimação. As pessoas que não têm animais domésticos sofrem mais de estresse e visitam o médico regularmente, dizem os cientistas da Cambridge University. Os mascotes fazem você sentir se otimista, relaxado e isso baixa a pressão do sangue. Os cães são bons amigos, mas até um peixinho dourado pode causar um bom resultado.

Colocar verduras frescas e rodelas de tomate no sanduíche. Uma porção de tomate por dia baixa o risco de doença coronária em 30%, segundo cientistas da Harvard Medical School.

Reorganizar a geladeira. As verduras em qualquer lugar de sua geladeira perdem substâncias nutritivas, porque a luz artificial do equipamento destrói os flavonóides que combatem o câncer que todo vegetal tem. Por isso é melhor usar á área reservada a ela, aquela caixa bem embaixo.

Comer como um passarinho. A semente de girassol e as sementes de gergelim nas saladas e cereais são nutrientes e antioxidantes. E comer nozes entre as refeições reduz o risco de diabetes.

E por último, um bocadinho de pequenas dicas para alongar a vida:

Comer chocolate. Duas barras por semana estendem um ano a vida. O amargo é fonte de ferro, magnésio e potássio. (esse eu adorei!!! Tenho uns 20 anos a mais de vida!!)

Pensar positivamente. Pessoas otimistas podem viver até 12 anos mais que os pessimistas, que ademais pegam gripes e resfriados mais facilmente (E dizem que eu sou sonhador demais... talvez porque quero viver mais).

Ser sociável. Pessoas com fortes laços sociais ou redes de amigos têm vidas mais saudáveis que as pessoas solitárias ou que só têm contato com a família.

Conhecer a si mesmo. Aqueles que priorizam o 'ser' sobre o 'ter' têm 35% de probabilidade de viver mais tempo.


Não parece tão sacrificante, não é verdade? Uma vez incorporados os conselhos, facilmente tornam-se hábitos. É exatamente o que diz uma certa frase de Sêneca:

'Escolha a melhor forma de viver, o costume a tornará agradável.'

Presença é fun-da-men-tal. Demonstrações de afeto também. Isso mostra o quanto você se importa com os outros. Afinal de contas, ninguém tem bola de cristal pra saber o que você sente, pensa ou deixa de fazer. Será que é assim tão difícil???

Papa-bolinhas, eu?

Alguém me disse um dia que sou como um papa-bolinhas: tiro tudo o que há de ruim e imprestável na roupagem humana dos outros e deixo-os apresentáveis para o próximo evento para que mostrem o melhor de si.
Dureza, hein??? Vai entender... Pelo jeito nunca sou convidada pra festa, né? Afinal de contas, faço parte do staff: só nos bastidores.

sexta-feira, 14 de novembro de 2008

Através dos olhos da alma



Através dos olhos da alma vou além, vejo longe, crio, desperto sensações e sonho.
Através dos olhos da alma vejo aquilo que ninguém vê.

O perdão e suas consequências

Sabe o porquê da citação: perdoar é divino? Oras, porque só Deus mesmo pra perdoar tudo sem pestanejar ou jogar na cara da gente toda a vez que o bicho pega e a gente se encarna numa discussão com a pessoa que dizemos 'perdoada'. Pô! Perdoar já é difícil, mas a gente tenta. E tenta de novo. E tenta mais uma vez. E vem outra. Opa! Tá crescendo a lista de perdões... ahhhhhhh! Mas aí já virou malandragem!!!

Tá me achando com cara do quê???? Caraca! Vá ver se eu tô na esquina!

Como a gente é burra... burra não! Besta. Tola. Também não vou me ofender que de burra não tenho nada! Aliás devo, sim ter, essa joça pulsante do lado esquerdo do peito que insiste em subir à cabeça e tomar o cérebro por refém: ô, gente boa! Dá licença aí, mas todos os neurônios no chão, desliguem os celulares e não mantenham contato elétrico entre si ou o hipotálamo morre! Tô logo avisando aí, simpatia, nada contra vocês não, viu, mas a sociedade artério-venosa anda dificultando nosso trabalho, o pulmão não quer saber de dar umas golfadas em prol da nossa causa morta, então, 'cês' sabem, né?

Coração é burrinho mesmo! Burro, mas tão burro que não sai do lugar! Cegueta que dá dó: não enxerga um palmo adiante do nariz e ouve mal pra caramba, tão mal que nem fazendo limpeza no otorrino iria conseguir manter o máximo de surdez capaz de utilizar um aparelho daqueles milagrosos!

Eu sei, ando me tornando repetitiva, mas é para o meu próprio bem e, talvez se a mim sirva, servirá a mais alguém. Maldita hora que não ouvi o mestre Schopenhauer. Toda vez que ignoro o que ele martela no meu intelecto... dá nisso. É só ouvir umas parcas palavrinhas doces que... argh! Melhor nem falar mais nada!



Perdoar e esquecer equivale a jogar pela janela experiências adquiridas com muito custo. Se uma pessoa com quem temos ligação ou convívio nos faz algo de desagradável ou irritante, temos apenas de nos perguntar se ela nos é ou não valiosa o suficiente para aceitarmos que repita segunda vez e com frequência semelhante tratamento, e até de maneira mais grave. Em caso afirmativo, não há muito a dizer, porque falar ajuda pouco. Temos, portanto, de deixar passar essa ofensa, com ou sem reprimenda; todavia, devemos saber que agindo assim estaremos a expor-nos à sua repetição. Em caso negativo, temos de romper de modo imediato e definitivo com o valioso amigo ou, se for um servente, dispensá-lo. Pois, quando a situação se repetir, será inevitável que ele faça exactamente a mesma coisa, ou algo inteiramente análogo, apesar de, nesse momento, nos assegurar o contrário de modo profundo e sincero. Pode-se esquecer tudo, tudo, menos a si mesmo, menos o próprio ser, pois o carácter é absolutamente incorrigível e todas as acções humanas brotam de um princípio íntimo, em virtude do qual, o homem, em circunstâncias iguais, tem sempre de fazer o mesmo, e não o que é diferente. (...) Por conseguinte, reconciliarmo-nos com o amigo com quem rompemos relações é uma fraqueza pela qual se expiará quando, na primeira oportunidade, ele fizer exactamente a mesma coisa que produziu a ruptura, até com mais ousadia, munido da consciência secreta da sua imprescindibilidade.
Arthur Schopenhauer



Tem gente que não aprende mesmo que uma chance já é valiosa, duas é uma coisa incrível, três, então, ai Minha Nossa Senhora, quatro é um milagre dos bons... mais que isso, é melhor se preparar porque vem chumbo. E dos grossos!!

Vergonha na cara! Vergonha na cara! Perde e depois não sabe porquê! Ah, acha que não, é? Tenta pra ver... Depois que o saco fura, não tem mais volta! Já avisei! A tal imprescindibilidade também tem seus limites nessa vida aqui: quando ultrapassa, fere a minha pessoa, se fere a minha pessoa, não é bom, se não é bom... eu me retiro. E me retiro mesmo!

Tenho é que tomar vergonha na cara e aprender de uma vez por todas. Um dia, quem sabe, chego lá:



Ab alio exspectes, alteri quod feceris.
Como for teu trato, assim te trato.
Como plantares, assim colherás.
Assim como fizeres, de outro o esperes.
O que fizeres, encontrarás.
You shall have as good as you bring.
Comme à autrui fait tu auras, d'autrui enfin tu recevras.
El bien o el mal al que lo hace le vendrá.
Donde las dan las toman.
Come farai, così avrai.
Kiu fosas sub alia, falos mem en la foson.


Não adianta esperar algo daqueles que nasceram para se prender em suas próprias jaulas mesmo elas estando abertas.
Juan Carlo Moravagine
http://obrancoderembrandt.blogspot.com/2008/11/mysteries.html

quinta-feira, 6 de novembro de 2008

Só mais uma... rs

Mais tirinhas...

Tirinhas

quarta-feira, 5 de novembro de 2008

Ri melhor quem ri por último

Três argentinos e um gaúcho, mateando e fumando:

- Eu tenho muito dinheiro... Vou comprar o Citibank! - diz o primeiro argentino, com cara de quem arrasou o quarteirão.

- Eu sou muito rico... Comprarei a General Motors! - retruca o segundo argentino, achando que pode tudo.

- Eu sou um magnata... Vou comprar a Microsoft! - fala o terceiro argentino se gabando.

E os três ficam esperando o que o gaúcho vai falar.

O gaúcho dá , então, mais uma tragada, ajeita a bomba do mate na cuia do chimarrão, toma um golito, faz uma pausa longa e diz:
- Não vendo , tchê!

A idade de ser feliz

Existe somente uma idade para a gente ser feliz, somente uma época na vida de cada pessoa em que é possível sonhar e fazer planos e ter energia bastante para realizá-los a despeito de todas as dificuldades e obstáculos.
Uma só idade para a gente se encantar com a vida e viver apaixonadamente e desfrutar tudo com toda intensidade sem medo nem culpa de sentir prazer.
Fase dourada em que a gente pode criar e recriar a vida à nossa própria imagem e semelhança e vestir-se com todas as cores e experimentar todos os sabores e entregar-se a todos os amores sem preconceito nem pudor.
Tempo de entusiasmo e coragem em que todo desafio é mais um convite à luta que a gente enfrenta com toda disposição de tentar algo NOVO, de NOVO e de NOVO, e quantas vezes for preciso.
Essa idade tão fugaz na vida da gente chama-se PRESENTE e tem a duração do instante que passa.
(Mario Quintana)

domingo, 2 de novembro de 2008

Não tente adivinhar o que as pessoas pensam a seu respeito.

Faça a sua parte, se doe sem medo.
O que importa mesmo é o que você é.
Mesmo que outras pessoas não se importem.
Atitudes simples podem melhorar sua vida.
Não julgue para não ser julgado...
Um covarde é incapaz de demonstrar amor
- isso é privilégio dos corajosos.
Mahatma Gandhi

segunda-feira, 27 de outubro de 2008

Nunca discuta com uma mulher que lê

Um casal sai de férias para um hotel-fazenda.
O homem gosta de pescar e a mulher gosta de ler.
Uma manhã, o marido volta de horas pescando e resolve tirar uma soneca.
Apesar de não conhecer bem o lago, a mulher decide pegar o barco do marido e ler no lago.
Ela navega um pouco, ancora, e continua lendo seu livro. Chega um Tenente da Guarda Ambiental do parque em seu barco, para ao lado da mulher e fala:
- Bom dia, madame. O que está fazendo?
- Lendo um livro - responde. (Pensando: será que não é óbvio?)
- A senhora está em uma área restrita em que a pesca é proibida, informa.
- Sinto muito, tenente, mas não estou pescando, estou lendo.
- Sim, mas com todo o equipamento de pesca. Pelo que sei, a senhora pode começar a qualquer momento. Se não sair daí imediatamente, terei de multá-la e processá-la.
- Se o senhor fizer isso, terei que acusá-lo de assédio sexual.
- Mas eu nem sequer a toquei! - diz o tenente da guarda ambiental.
- É verdade, mas o senhor tem todo o equipamento. Pelo que sei, pode começar a qualquer momento.
- Tenha um bom dia, madame - diz ele, e vai embora.

Moral da história:

'Nunca discuta com uma mulher que lê. Certamente ela pensa!'

Minha mãe me ensinou

Recebi, por e-mail. Achei fantástica! Por isso posto aqui pra compartilhar com você!

Era uma forma, hoje condenada pelos educadores e psicólogos, mas funcionava. Forjou homens de têmpera, respeitadores, honestos e patriotas. O método moderno deu no que deu: pessoas de moral fraca, mal-educadas, corruptas e entreguistas. Viva o velho!


Minha mãe ensinou a VALORIZAR O SORRISO...
'ME RESPONDE DE NOVO E EU TE ARREBENTO OS DENTES!'

Minha mãe me ensinou a RETIDÃO.
' EU TE AJEITO NEM QUE SEJA NA PANCADA!'

Minha mãe me ensinou a DAR VALOR AO TRABALHO DOS OUTROS...
'SE VOCÊ E SEU IRMÃO QUEREM SE MATAR, VÃO PRA FORA. ACABEI DE LIMPAR A
CASA!'

Minha mãe me ensinou LÓGICA E HIERARQUIA...
'PORQUE EU DIGO QUE É ASSIM! PONTO FINAL! QUEM É QUE MANDA AQUI?'

Minha mãe me ensinou o que é MOTIVAÇÃO...
'CONTINUA CHORANDO QUE EU VOU TE DAR UMA RAZÃO VERDADEIRA PARA VOCÊ CHORAR!'

Minha mãe me ensinou a CONTRADIÇÃO...
'FECHA A BOCA E COME!'

Minha Mãe me ensinou sobre ANTECIPAÇÃO...
'ESPERA SÓ ATÉ SEU PAI CHEGAR!'

Minha Mãe me ensinou sobre PACIÊNCIA...
'CALMA!.. QUANDO CHEGARMOS EM CASA VOCÊ VAI VER SÓ..'.

' Minha Mãe me ensinou a ENFRENTAR OS DESAFIOS...
'OLHE PARA MIM! RESPONDA QUANDO EU TE FIZER UMA PERGUNTA!'

Minha Mãe me ensinou sobre RACIOCÍNIO LÓGICO...
'SE VOCÊ CAIR DESSA ÁRVORE VAI QUEBRAR O PESCOÇO E EU VOU TE DAR UMA
SURRA!'

Minha Mãe me ensinou MEDICINA...
'PÁRA DE FICAR VESGO, MENINO! PODE BATER UM VENTO E VOCÊ VAI FICAR ASSIM
PARA SEMPRE.'

Minha Mãe me ensinou sobre o REINO ANIMAL...
'SE VOCÊ NÃO COMER ESSAS VERDURAS, OS BICHOS DA SUA BARRIGA VÃO COMER
VOCÊ!'

Minha Mãe me ensinou sobre GENÉTICA...
'VOCÊ É IGUALZINHO AO SEU PAI!'

Minha Mãe me ensinou sobre minhas RAÍZES...
'TÁ PENSANDO QUE NASCEU DE FAMÍLIA RICA É?'

Minha Mãe me ensinou sobre a SABEDORIA DE IDADE...
'QUANDO VOCÊ TIVER A MINHA IDADE, VOCÊ VAI ENTENDER.'

Minha Mãe me ensinou sobre JUSTIÇA...
'UM DIA VOCÊ TERÁ SEUS FILHOS, E EU ESPERO ELES FAÇAM PRA VOCÊ O MESMO QUE
VOCÊ FAZ PRA MIM! AÍ VOCÊ VAI VER O QUE É BOM!'

Minha mãe me ensinou RELIGIÃO...
'MELHOR REZAR PARA ESSA MANCHA SAIR DO TAPETE!'

Minha mãe me ensinou o BEIJO DE ESQUIMÓ...
'SE RABISCAR DE NOVO, EU ESFREGO SEU NARIZ NA PAREDE!'

Minha mãe me ensinou CONTORCIONISMO...
'OLHA SÓ ESSA ORELHA! QUE NOJO!'

Minha mãe me ensinou DETERMINAÇÃO..
'VAI FICAR AÍ SENTADO ATÉ COMER TODA COMIDA!'

Minha mãe me ensinou habilidades como VENTRÍLOQUO...
'NÃO RESMUNGUE! CALA ESSA BOCA E ME DIGA POR QUE É QUE VOCÊ FEZ ISSO?'

Minha mãe me ensinou a SER OBJETIVO...
'EU TE AJEITO NUMA PANCADA SÓ!'

Minha mãe me ensinou a ESCUTAR ....
'SE VOCÊ NÃO ABAIXAR O VOLUME, EU VOU AÍ E QUEBRO ESSE RÁDIO!'

Minha mãe me ensinou a TER GOSTO PELOS ESTUDOS..
'SE EU FOR AÍ E VOCÊ NÃO TIVER TERMINADO ESSA LIÇÃO, VOCÊ JÁ SABE!..'

Minha mãe me ajudou na COORDENAÇÃO MOTORA...
'AJUNTA AGORA ESSES BRINQUEDOS! PEGA UM POR UM!!'

Minha mãe me ensinou os NÚMEROS...
VOU CONTAR ATÉ DEZ. SE ESSE VASO NÃO APARECER VOCÊ LEVA UMA SURRA!'

Brigadão Mãe !!!


Tem algumas coisinhas meio radicais, mas vai dizer que você já não ouviu mesmo pelo menos umazinha dessas aí??? rsrs

domingo, 26 de outubro de 2008

Do perfil do meu amigo Erich, da terrinha dos 'alemon'

Temos uma amiga caríssima em comum: minha ex-vizinha Katiuscia, que me conhece desde que vim morar aqui em Blumenau (pena que quando a gente se muda, os vizinhos não mudam conosco. Sinto uma falta tremenda deles!)... Gente finíssima! Dá pra entender o porquê só lendo o texto que vem a seguir!

Eu sigo os dez mandamentos...
Como este mundo está louco mas eu não estou(pelo menos eu acho...), encontro um valor pessoal num paradoxo. Um "paradoxo" é uma idéia que é contrária à opinião popular, algo que parece contradizer o bom senso, mas que mesmo assim é verdadeiro.

Os 10 Mandamentos Paradoxais:

1. As pessoas são ilógicas, irracionais e egocêntricas. Ame-as, apesar de tudo.

2. Se você fizer o bem, as pessoas o acusarão de ter motivos egoístas ocultos. Faça o bem, apesar de tudo.

3. Se você tiver sucesso, ganhará falsos amigos e inimigos verdadeiros. Busque o sucesso, apesar de tudo.

4. O bem que você faz hoje será esquecido amanhã. Faça o bem, apesar de tudo.

5. A honestidade e a franqueza o tornarão vulnerável. Seja honesto e franco, apesar de tudo.

6. Os maiores homens e mulheres com as maiores idéias podem ser eliminados pelos menores homens e mulheres com as mentes mais estreitas. Pense grande, apesar de tudo.

7. As pessoas favorecem os oprimidos, mas seguem somente os bem-sucedidos. Lute por alguns oprimidos, apesar de tudo.

8. Aquilo que você passa anos construindo poderá ser destruído da noite para o dia. Construa, apesar de tudo.

9. As pessoas realmente precisam de ajuda, mas poderão atacá-lo se você as ajudar. Ajude as pessoas, apesar de tudo.

10. Dê ao mundo o melhor de você e levará um soco na cara. Dê ao mundo o melhor de você, apesar de tudo.


E viva a amizade!!!!!

Algumas frases do futebol

Coletânea devidamente 'lalada' do perfil do Kaká (desculpinha, mas impossível não postar isso aqui!)

"Não foi nada de especial, chutei com o pé que estava mais a mão!" João Pinto (jogador do Futebol Clube do Porto, de Portugal).

"O meu clube estava à beira do precipício, mas tomou a decisão correta: deu um passo à frente." João Pinto (jogador do Boavista, Benfica, de Portugal).

"O difícil, vocês sabem, não é fácil..." Vicente Matheus (eterno presidente do Corinthians).

"Jogador tem que ser completo como o PATO, que é um bicho aquático e gramático." Vicente Matheus (eterno presidente do Corínthians).

"Clássico é clássico e vice-versa..." Jardel (ex-atacante do Grêmio e da Seleção Brasileira).

"Jogador é o Didi, que joga como quem chupa laranja..." Neném Prancha (ex-roupeiro do Botafogo, ex-técnico de futebol de praia e filósofo da bola).

"Chegarei de surpresa, dia 15, às duas da tarde, vôo 619 da VARIG..." Mengalvio (ex-meia do Santos, em telegrama mandado a família quando em excursão à Europa).

"No México que é bom. Lá a gente recebe semanalmente, de quinze em quinze dias..." Ferreira (ex-ponta-esquerda do Santos)

"Tenho o maior orgulho de jogar na terra onde Cristo nasceu..." Claudiomiro (ex-meia do Internacional-RS ao chegar em Belém do Pará para disputar uma partida contra o Paysandu pelo Brasileirão de 72).

"Quando o jogo está a mil, minha naftalina sobe." Jardel (ex-atacante do Grêmio).

"Não sei, chutei, a bola foi indo, indo.... e iu!" Nunes (ex-atacante do Flamengo ao descrever um gol que tinha feito).

"Fiz que fui, não fui, e acabei fondo!" Nunes (ex-atacante do Flamengo).

sábado, 25 de outubro de 2008

Mais ou menos

A gente pode morar numa casa mais ou menos, numa rua mais ou menos, numa cidade mais ou menos, e até ter um governo mais ou menos.

A gente pode dormir numa cama mais ou menos, comer um feijão mais ou menos, ter um transporte mais ou menos, e até ser obrigado a acreditar mais ou menos no futuro.

A gente pode olhar em volta e sentir que tudo está mais ou menos...

TUDO BEM!

O que a gente não pode mesmo, nunca, de jeito nenhum... é amar mais ou menos, sonhar mais ou menos, ser amigo mais ou menos, namorar mais ou menos, ter fé mais ou menos, e acreditar mais ou menos. Senão a gente corre o risco de se tornar uma pessoa mais ou menos.
(Chico Xavier)

Ainda que o tempo, o maior e mais implacável dos carrascos,

intente sobre o meu corpo físico, ele nunca terá poder sobre meu pensar, meu saber e minha vontade, pois estes são eternos. Por isto e tão somente por isto que vou tentar sempre, porque nunca é tarde para começar...

A história dos dois videntes

Há alguns meses eu estava almoçando no México, e uma amiga – Cristina Belloni – fez um comentário:

- Acho que Deus não me escuta mais, porque vivo enchendo a paciência dele.

Todos os que estavam na mesa, riram. De minha parte, acho que Deus escuta sempre, não importa quantas vezes pedimos alguma coisa. Entretanto, o comentário de Cristina me fez lembrar uma história, narrada pelo jesuíta Anthony de Mello em seu livro “O Enigma do Iluminado”:

A história dos dois videntes

Pressentindo que seu país em breve iria mergulhar numa guerra civil, o sultão chamou um dos seus melhores videntes, e perguntou-lhe quanto tempo ainda lhe restava viver.
- Meu adorado mestre, o senhor viverá o bastante para ver todos os seus filhos mortos.

Num acesso de fúria, o sultão mandou imediatamente enforcar aquele que proferira palavras tão aterradoras. Então, a guerra civil era realmente uma ameaça! Desesperado, chamou um segundo vidente.

- Quanto tempo viverei? – perguntou, procurando saber se ainda seria capaz de controlar uma situação potencialmente explosiva.

- Senhor, Deus lhe concedeu uma vida tão longa, que ultrapassará a geração dos seus filhos, e chegará a geração dos seus netos.

Agradecido, o sultão mandou recompensá-lo com ouro e prata. Ao sair do palácio, um conselheiro comentou com o vidente:

- Você disse a mesma coisa que o adivinho anterior. Entretanto, o primeiro foi executado, e você recebeu recompensas. Por quê?

- Porque o segredo não está no que você diz, mas na maneira como diz. Sempre que precisar disparar a flecha da verdade, não esqueça de antes molhar sua ponta num vaso de mel.
(Paulo Coelho)

sexta-feira, 24 de outubro de 2008

Sabedoria da ♥:Srtª PreTa♥: PreTinhA♥DenGosa♥:

ORAÇÃO DAS MULHERES RESOLVIDAS

Que o mar vire cerveja e os homens, tira-gosto.
Que os nossos homens nunca morram viúvos,
e que nosso filhos tenham pais ricos e mães gostosas!

Que Deus abençoe os homens bonitos, e os feios se tiver tempo;

Deus...
Eu vos peço sabedoria para entender o homem,
amor para perdoá-lo e paciência pelos seus atos,
porque Deus, se eu pedir força, eu bato nele até matá-lo.

Um brinde...
Aos que temos, aos que tivemos e aos que teremos.
Um brinde também aos namorados que nos conquistaram,
aos trouxas que nos perderam e os sortudos que ainda vão nos conhecer!
*Que sempre sobre, que nunca nos falte, e que a gente dê conta de todos*!
Amém.

Homens são como um bom vinho. Todos começam como uvas, e é dever da mulher pisoteá-los e mantê-los no escuro até que amadureçam e se tornem uma boa companhia pro jantar.


P.S. Postei conforme recebi... Agora, vai dizer que você não sorriu ao ler isso??? rs

A vontade é impotente perante o que está para trás dela.

Não poder destruir o tempo, nem a avidez transbordante do tempo, é a angústia mais solitária da vontade.
Friedrich Nietzsche

quinta-feira, 16 de outubro de 2008

De tanto ver triunfar as nulidades,

de tanto ver crescer as injustiças, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto.
Ruy Barbosa

domingo, 12 de outubro de 2008

Be careful what you wish for because you just might get it.

Sabedoria de diplomatta

Se você está tendo, ou teve, uma semana infernal, siga estes 8 passos para reduzir o stress. Eu não acredito muito em técnicas modernas de redução de stress, mas esta realmente funciona...

1. Imagine-se perto de um rio com um lindo fundo de pedras.

2. A brisa fresca da montanha traz o canto dos pássaros até os seus ouvidos.

3. Ninguém, além de você, conhece este lugar secreto.

4. Você está totalmente separado do lugar caótico que chamamos 'Civilização'.

5. O som tranqüilo de uma pequena cascata enche tudo ao seu redor de serenidade.

6. A água é límpida e cristalina.

7. Você pode ver claramente o rosto da pessoa que você está afogando embaixo da água.

8. Viu?.. Você já está sorrindo...

sexta-feira, 10 de outubro de 2008

Recebi e não resisti... rsrs

Homens na era da informática

Homem Antivírus - Vive vasculhando a sua vida pra ver se acha algum podre;

Homem Email - Todo dia tem algo a dizer, mas 90% é lixo;

Homens Internet - Aqui no Brasil, são os homens de difícil acesso;

Homem Word - Tem sempre uma surpresa reservada pra você (geralmente ruim);

Homem Vírus - Quando você menos espera ele se instala.
Se você tentar desinstalar vai perder alguma coisa, se não tentar perde tudo;

Homem Impressora Matricial - Faz mais barulho do que serviço;

Homem Disquete - Está ultrapassado há anos, mas você ainda insiste em usá-lo;

Homem Mouse - Só funciona quando é arrastado e apertado;

Homem Impressora em Rede - Você pensa que ele é só seu, mas volta e meia você encontra outra pessoa usando...


Desculpa se ofendi alguém... não foi essa a intenção. Só quis mostrar que a humanidade anda numa criatividade inacreditável!

Só pra relaxar um pouco...

quinta-feira, 9 de outubro de 2008

Eu e as luas...

Sou de lua mesmo. Isso não é nenhuma novidade. Já postei trocentas vezes sobre isso, mas achei um textinho bárbaro de Christiana Nóvoa no perfil de uma amiga no orkut que gostaria - e muito - de ter escrito.


Prá quem não sabe, sou de lua. Hora brilho e encho o quarto, pleniluz. Hora sumo envolta em sombras, treva nova. Eclipso vermelha e volto intacta! Vira-láctea, ilumino branca, prata e até azul. Venho e vou mutante em ondas, como as marés. Mas quem me acompanha os passos, órbita e fases zênites liliths, príapos e dragões, não teme a face obscura...pois que sou aquela mesma lua velha que nunca falha, nem surpreende, nem se desvia. Eu estou sempre exatamente onde devia, aqui no alto, solta no espaço, clara e nua!

Não importa o que fizeram a você. O que importa é o que você faz com aquilo que fizeram para você.

quarta-feira, 8 de outubro de 2008

sábado, 4 de outubro de 2008

Outra da série: 'músicas que gostaria de ter escrito'

É bom mesmo assistir ao vídeo... rs



Quando minha hora chegar, esqueça os erros que cometi
Ajude-me a deixar para trás algumas razões que deixem
saudades
Não fique ressentida comigo, quando se sentir vazia
Guarde-me na sua memória, deixe de fora todo o resto
Deixe de fora todo o resto


É forte sim. Como todo o resto da letra. Mas é real e palpável. Só isso.

Tem outra ainda. E prefiro não fazer comentário nenhum...

segunda-feira, 29 de setembro de 2008

Fábulas de Esopo - As árvores e o machado

Um homem foi à floresta e pediu às árvores, para que estas lhe doassem um cabo para o seu machado novo. O conselho das árvores então concorda com o seu pedido, e lhe ofertam uma jovem árvore para este fim.

E logo que o homem coloca o novo cabo no machado, começa furiosamente a usá-lo, e em pouco tempo, já havia derrubado com seus potentes golpes, as maiores e mais nobres árvores daquela floresta.

Um velho Carvalho, observando a destruição à sua volta, comenta desolado com um Cedro seu vizinho:

O primeiro passo significou a perdição de todas nós. Se tivéssemos respeitado os direitos daquela jovem árvore, também teríamos preservado os nossos, e poderíamos ficar de pé ainda por muitos anos.


Moral da História:
Quem menospreza seu semelhante, não deve se surpreender se um dia lhe fizerem a mesma coisa.

Fábulas de Esopo - O lobo e a ovelha

Um lobo, muito ferido devido às várias mordidas de cachorros, repousava doente e bastante debilitado em sua toca.

Como estava com fome, ele chamou uma ovelha que ia passando ali perto, e pediu-lhe para trazer um pouco da água de um regato que corria ao lado dela.

Assim, falou o lobo, se você me trouxer água, eu ficarei em condições de conseguir meu próprio alimento.

Claro, respondeu a ovelha, se eu levar água para você, sem dúvida eu serei esse alimento.


Moral da História:
Um hipócrita não consegue disfarçar suas verdadeiras intenções, apesar das palavras gentis.

Meu futuro brilhante...





Meus caros amigos, já sabem agora: não marco nada nas quintas-feiras às 19h30 e nem aos sábados às quatro da tarde! Compromisso i-na-di-á-vel!!! rsrs

sábado, 27 de setembro de 2008

Recebi por e-mail

Os noivos estão ensaiando a cerimônia do casamento na igreja. Logo após o ensaio, o noivo chama o padre de lado e lhe diz baixinho ao ouvido:
- Padre, tenho aqui duas notas de R$100 que vou lhe dar. Em troca, eu gostaria que o senhor modificasse um pouco o roteiro tradicional.
- Em qual parte, meu filho?
- Especificamente eu gostaria que, quando o senhor fosse se dirigir a mim, ignorasse aquele trecho que diz que eu devo prometer 'amar, honrar e respeitar minha esposa, renunciar às outras mulheres e ser-lhe fiel até que a morte nos separe'.
O padre pega as duas notas sem dizer uma palavra e o noivo vai embora todo satisfeito.

No dia da cerimônia, o momento fatídico da promessa se aproxima. O padre se vira para o noivo e diz, olhando-o bem no fundo dos olhos:
- Promete se ajoelhar para ela, obedecer a cada uma de suas ordens, levar-lhe o café da manhã na cama todos os dias, e jurar perante Deus que sua esposa é excepcional e que nunca, jamais olhará para outra mulher?

O noivo engole em seco, fica roxo, olha a sua volta com angústia e responde com uma voz quase imperceptível:
- Sim.... eu juro.
Então, ele se inclina para o padre e murmura:
- Eu pensei que tivéssemos um acordo...

O padre coloca as duas notas de R$100 no bolso do noivo e murmura no seu ouvido:
- Tínhamos... Ela dobrou a sua oferta!

Bom, a parte do café na cama todos os dias eu já nem faria questão, mas acrescentaria uns R$500 pra garantir que ele me mandasse mensagens no mínimo três vezes por dia. Por que três? Ah, de manhã pra que eu acordasse bem, logo após o almoço pra tarde ser extraordinariamente feliz e uma à noite pra eu ter bons sonhos... Lógico que em todas elas um 'eu te amo demais' bem sincero vinha a calhar, né? Três, não é exagero? Não, não. Assim não sobraria tempo pra pensar em mais ninguém, calculando que ele precisa trabalhar, ir ao banheiro, almoçar... e ainda opa! opa! Censurado! rsrsrs

sexta-feira, 26 de setembro de 2008

Slogans políticos. Haja criatividade!

Não resisti. Tinha que compartilhar estas pérolas com vocês!
Não me prolongo porque o assunto é sério mesmo!

Observe a criatividade desta safra de novos políticos...


9º lugar - Guilherme Bouças, com o slogan:
'Chega de malas, vote em Bouças.'

8º lugar - Grito de guerra do candidato Lingüiça, lá de Cotia (SP).
'Lingüiça Neles!'

7º lugar - Em Descalvado (AL), tem um candidata chamada Dinha cujo slogan é:
'Tudo Pela Dinha.'

6º lugar - Em Carmo do Rio Claro, tem um candidato chamado Gê.
(não sou eu não!!!!)
'Não vote em A, nem em B, nem em C; na hora H, vote em Gê.'

5º lugar - Em Hidrolândia (GO), tem um candidato chamado Pé.
'Não vote sentado, vote em Pé.'

4º lugar - E em Piraí do Sul tem um gay chamado Lady Zu.
'Aquele que dá o que promete.'

3º lugar - A cearense chamada Debora Soft, stripper e estrela de show
de sexo explícito. Slogan:
'Vote com prazer!'

2º lugar - Candidato a prefeito de Aracati (CE):
'Com a minha fé e as fezes de vocês, vou ganhar a eleição.'

1º lugar - Em Mogi das Cruzes (SP), tem um candidato chamado Defunto:
'Vote em Defunto, porque político bom é político morto!'

Teste do amor verdadeiro...

Se você tem dúvidas... eu tenho a solução!
Infalível!!!
Para você saber quem te ama de verdade, faça o seguinte teste:
1 - Tranque seu cachorro e sua esposa ou marido no porta malas do carro;
2 - Aguarde exatamente uma hora (uma hora mesmo, senão o teste não dá certo);
3 - Abra o porta mala do carro;
4 - Veja quem estará feliz em te ver novamente.

Impressionante!

Com homem, então, é demais!!!!

Deu no New York Times

Gerentes de uma editora americana estão tentando descobrir porque ninguém notou que um dos seus empregados estava morto, sentado à sua mesa havia CINCO DIAS, até que alguém perguntou se ele estava bem.
George Turklebaum, 51, que trabalhava como revisor em uma firma de Nova York há 30 anos, sofreu um ataque cardíaco no andar onde trabalhava (andar aberto sem divisórias) com outros 23 funcionários.
Ele morreu na segunda-feira, mas ninguém notou até o sábado seguinte pela manhã, quando um funcionário da limpeza o questionou porque ainda estava trabalhando no final de semana. Seu chefe, Elliot Wachiaski, disse: 'O George era sempre o primeiro a chegar todo dia e o último a sair no final do expediente. Ele estava sempre envolvido no seu trabalho e o fazia sozinho.'
Ironicamente, George estava revisando um livro médico quando morreu.
Sugestão...
De vez em quando balance a cabeça e agite os braços para os seus colegas de trabalho terem certeza de que você está vivo.
Moral da história: Não trabalhe demais; ninguém nota mesmo... A não ser quando você atrapalha a faxina...

Método do tijolo para a contratação de funcionários

O método consiste em colocar todos os candidatos num galpão e disponibilizar 200 tijolos para cada um.

Não dê orientação alguma sobre o que fazer.
Em seguida, tranque-os lá e, após seis horas, volte e verifique o que fizeram.

Segue a análise dos resultados:

1 - Os que contaram os tijolos, contrate como contadores.

2 - Os que contaram e em seguida recontaram os tijolos, são auditores.

3 - Os que espalharam os tijolos e os classificaram pela forma e propriedades físicas são engenheiros.

4 - Os que tiverem arrumado os tijolos de maneira muito estranha, difícil de entender, coloque-os no Planejamento, Projeto e Implantação e Controle de Produção.

5 - Os que estiverem jogando tijolos uns nos outros, coloque-os em Operações.

6 - Os que estiverem dormindo, coloque-os na Segurança.

7 - Aqueles que picaram os tijolos em pedacinhos e estiverem tentando montá-los novamente, devem ir direto à Tecnologia da Informação.

8 - Os que estiverem sentados sem fazer nada ou batendo papo-furado, são dos Recursos Humanos.

9 - Os que disserem que fizeram de tudo para diminuir o estoque mas a concorrência está desleal e será preciso pensar em maiores facilidades, são vendedores natos.

10 - Os que já tiverem saído, são gerentes.

11 - Os que estiverem olhando pela janela com o olhar perdido no infinito, são os responsáveis pelo Planejamento Estratégico.

12 - Os que estiverem conversando entre si com as mãos no bolso demonstrando que nem sequer tocaram nos tijolos e jamais fariam isso, cumprimente- os com muito respeito e coloque-os na Diretoria.

13 - Os que levantaram um muro e se esconderam atrás são do Departamento de Marketing.

14 - Os que afirmarem não estar vendo tijolo algum na sala, são do Departamento Jurídico.

15 - Os que reclamarem que os tijolos 'estão uma merda, sem identificação, sem padronização e com medidas erradas', coloque na Qualidade.

terça-feira, 16 de setembro de 2008

"Se morassem no mesmo século, eles seriam perfeitos um para o outro"

do filme Kate & Leopold.

Diferença de timing...

Kate & Leopold” é o típico filme despretensioso, não passa de uma leve e agradável comédia romântica, daquelas bem estilo Meg Ryan como “Mensagem para Você”. Mas o que este filme não tem de criatividade em seu estilo ele consegue mostrar em sua história, que apesar de tudo é original.

Kate McKay (Meg Ryan) é uma executiva de sucesso que vive com seu irmão Charlie (Breckin Meyer). Stuart (Liev Schreiber) é seu vizinho e ex-namorado, e acaba de descobrir um portal que faz com que ele possa voltar no tempo. E logo em sua primeira viagem através do tempo acaba, acidentalmente, trazendo de volta para o futuro o Duque de Albany, Leopold (Hugh Jackman), o inventor do elevador, do ano de 1876.

A partir daí o filme mostra a difícil adaptação do Duque na nova Nova York e também o desenrolar de uma bela história de amor.

Mas o final feliz deste filme não chega assim tão rápido, ou vocês esqueceram que tem que ter a parte onde tudo parecia perdido. Leopold tem que voltar para o seu tempo, se não o fizer pode mudar a história da humanidade (já vi este papo antes!).

Parte da trilha sonora do filme, 'Until' no vôo raso de Sting... meu predileto. Nem me prolongo mais...




Até que..

Se eu tivesse pego o mundo numa garrafa
E tudo estivesse embaixo da Lua
Sem o seu amor ela brilharia por mim?

Se eu fosse esperto como Aristóteles
E entendese os anéis ao redor da Lua
O que poderia tudo isso importar se você me amasse?

Aqui em seus braços aonde o mundo não poderia se tranquilizar
Com um milhão de sonhos para satisfazer
E uma questão de momentos até a dança terminar

Aqui em seus braços, aonde tudo parece estar claro
Sem uma nada solitário para temer
Exeto quando esse momento se aproxima do final da dança

Se eu tivesse pego o mundo numa ampulheta
Então amado a Lua
Nós poderiamos passear até que as estrelas crescessem sombrias
Até que...

Um dia, você irá conhecer uma estranha
e todo o barulho se silenciará na sala
Você sentirá que está perto de algum mistério
Na luz da Lua, quando tudo escurecer você
Você sente que a conhece a sua vida inteira
A lição mais velha da história do mundo
Aqui nos seu braços aonde o mundo não poderia se tranquilizar
Com milhões de sonhos para satisfazer
E uma questão de momentos até a dança terminar

Aqui em seus braços, tudo parece estar claro
Sem uma nada solitário para temer
Exceto quando esse momento se aproxima do final da dança

Se eu tivesse pego o mundo numa ampulheta
Acima da Lua nós passearíamos
Até que as estrelas crescem sombrias
Até que o tempo se fique tranquilo
Até que...


Passei rapidíssimo antes que esquecesse dessa...

domingo, 14 de setembro de 2008

Músicas que gostaria de ter escrito II

Adoro esse cabeludo aí. Essa música é especialíssima. Tem um tom nostálgico, uma mistura de sentimentos bons, ruins, extraordinários...



Eu sinto falta daquela cidade
Eu sinto falta dos rostos deles
Você não pode apagar
Você não pode substituir isso
Eu sinto falta agora
Não posso acreditar
Tão difícil de ficar
Muito difícil de partir
Se eu pudesse reviver aqueles dias,
Eu sei que uma coisa nunca mudaria
....
É difícil de dizer
É hora de dizer
Adeus, Adeus


É deles também essa declaração liiiinda de amor.


E pra fechar... um filminho ao melhor estilo hollywoodiano de ser. Mais um clip deles de letra boa.

O cúmulo da possessividade...

Mas falando assim, desse jeito, declaradamente... nem ligava. rsrs



Gosto desse cara. Quem não lembra de 'Have you ever seen the rain?'. Uma das melhores pra mim. E dá-lhe Creedence Clearwater Revival... sempre! Lembra bons tempos... aliás, perfeitos!

Uma música que gostaria de ter escrito... mas não escrevi!



Caminhe

E o amor não é uma coisa fácil
A única bagagem que você pode trazer
E o amor não é uma coisa fácil
A única bagagem que você pode trazer
É tudo o que você não pode deixar para trás

E se a escuridão está nos mantendo separados
E se a luz do dia se sente como numa longa
estrada interrompida
E se seu coração de vidro se partisse
E por um segundo você voltasse atrás
Oh não, seja forte

ande em frente, ande em frente
O que você conquistou eles não podem te roubar
Não, eles ainda nem podem sentir isso
ande em frente, ande em frente

Você está arrumando uma mala para ir a um lugar onde nenhum de nós esteve
Um lugar em que tem que se crer para
poder ser visto
Você poderia ter voado para longe
Um pássaro cantando em uma gaiola aberta
Que só voará, só voa para a liberdade

ande em frente, ande em frente
O que você conquistou eles não podem te negar
Não podem vender ou comprar
ande em frente, ande em frente
Fique segura esta noite


E eu sei que dói
E seu coração se partiu
E você só pode aceitar tudo
ande em frente, ande em frente

Lar.......difícil saber o que é
se você nunca teve um
Lar.......eu não posso dizer
onde é, mas eu sei que
eu estou indo para casa
É onde a ferida está

E eu sei que dói
E seu coração se partiu
E você só pode aceitar tudo
ande em frente, ande em frente

Deixe para trás
Você tem que deixar isso para trás
Tudo aquilo você forma
Tudo aquilo que você faz
Tudo aquilo que você constrói
Tudo aquilo você destroi
Tudo aquilo que você mede
Tudo aquilo que você rouba
Tudo isso você pode deixar para trás
Tudo aquilo você raciocina
Tudo aquilo você sente
Tudo aquilo que você fala
Tudo aquilo você veste
Tudo aquilo você planeja...

quinta-feira, 11 de setembro de 2008

quarta-feira, 10 de setembro de 2008

Mais sobre música...



Essa não podia mesmo faltar... Era parada obrigatória. A gente cantava na arquibancada do campo um do colégio (era de lá que eu ficava só paquerando um gurizinho metido a besta pra caramba, mas no fundo era gente finíssima. No começo era só de canto de olho, depois ficou descarado mesmo o negócio, até um amigo em comum apresentar a gente. É de chorar de rir só de lembrar.). E na varanda da casa de praia dos meus pais. Até enjoar! Schneider e Xavier iam me visitar e acabava sempre na viola. Não tinha jeito mesmo. O duro é que eram sempre as mesmas músicas, mas a gente se divertia. Terminava sempre na sorveteria.

Lenny Kravitz me lembra o 'obrigado, Senhor!' do Marcio. rsrs Um walkman velhinho pra caramba e uma fita k7 que do outro lado era Sade e terminava na metade de 'Jezebel'.

'Stand by me' era perfeita no intervalo. Com a galera no boteco em frente à PUC. Não. Eu nem bebia ainda nessa época. Mas tomava coca-cola aos litros. Com muita batata-frita. Foi a música que encerrou a formatura.

Beatles, no festival? Não dá pra esquecer o 'Let it be' mais longo que cantei na minha vida com um coro lindíssimo de platéia desconhecida. E eu pra lá de nervosa imaginando se ia agradar ou não. Engraçado, no mínimo. 'Ticket to ride' com a Baiana - e o microfone dela desligado. Foi hilário. Eu e os guris. As vestimentas? Putz, uniforme de escola britânica, um sarro total. Saia, meião, camisa branca e gravata. Pode?

Muita bossa nova com meu pai. Nascido em Niterói, só podia ser! E entoávamos sempre que o silêncio aparecia: 'as praias desertas continuam esperando por nós dois...', de Dolores Duran, 'O barquinho' , 'Samba do avião', 'Regra três', 'Chega de saudade', e eu sempre terminava assim: 'pobre de mim que só sei te amar...' rsrs.



Vivo sonhando, sonhando mil horas sem fim
Tempo em que vou perguntando, se gostas de mim
Tempo de falar em estrelas
Falar de um mar, de um ceu assim.
Falar do bem que se tem mas voce nao vem, nao vem
Voce nao vindo, nao vindo a vida tem fim
Gente que passa sorrindo zombando de mim
E eu a falar em estrelas, mar, amor, luar
Pobre de mim, que so sei te amar



Não esqueço de 'Romaria' em duas vozes com a Lu Schneider. Especial até demais.

A empurrada de palco no pub estranhíssimo que deu certo pra cantar 'The Girl from Ipanema' com uma rapaziada brasileira também perdida por lá. E olha que o guri tinha uma voz parecidinha com a do Sinatra... Lisa Stansfield, na mesma época, no mesmo palco... tenho que confessar que essa eu canto na banheira até hoje! rsrs Adorava as alterações de voz dela. Bem como 'What's going on', de Four non Blondes. Ai, que delícia lembrar disso!



Peter Gabriel nos ensaios dos teatros do Bond's... E Jon Anderson. Ah, como eu viajei com essa música, deitada no terraço da casa de meus avós em Armação, sob um céu estreladíssimo...


Savage Garden (Truly, Madly, Deeply, que faz parte do meu perfil no orkut), Def Leppard (Hysteria, Stand up, Long long way to go, When love and hate colide, Love bites), The Bolshoi ('Sunday Morning' - posto o vídeo em seguida)


The Mission, com 'Butterfly on a wheel', John Fogerty e 'Have you ever seen the rain' - cantada também por Rod Steward. Versão lindíssima do homem da voz rouquíssima. Double e seu 'The captain of her heart' que me fez chorar tantas vezes. Heart (nossa! adorava!). Outfield era quase hino! Gene loves Jezebel, Pink Floyd, Rush, Pearl Jam (maravilhoso!). E sempre cabia 'Time after time', de Cyndi Lauper, vez ou outra...

The Clash em Garopaba e a maluca aqui fazendo camarão na moranga e pudim de leite ao som de Sade... e tentando chegar no mesmo timbre. Coisa mais idiota, impossível!

Duran Duran sempre! 'Come undone' é tão forte que merece lugar de destaque. É uma das que ouço todos os dias...

Meu, sonho imaculado criou fôlego e pele,
Eu tenho estado esperando por você,
Marcado, com uma tatuagem familiar.
Feliz aniversário para você, fui criado para você...

Não consigo jamais evitar de desmanchar
Nas costuras.
Eu não posso acreditar que você está levando meu coração
Aos pedaços.

Oh, isso vai precisar de um pouquinho de tempo,
Talvez precise de um pequeno crime
Para ser desfeito agora.

Nós tentaremos permanecer cegos
Para a expectativa e o medo no lado de fora.
Ei, criança, continue mais selvagem que o vento
E sopre dentro de mim para chorar...

De quem você precisa, quem você ama
Quando você vir a se desfazer?
De quem você precisa, quem você ama
Quando você vir a se desfazer?

Palavras, brincando comigo de deja vu
Como uma melodia do rádio que eu juro que já ouvi antes.
Arrepio, isso é algo real
Ou a mágica de que estou me alimentando dos seus dedos?

Não consigo jamais evitar de desmanchar
Nas costuras.
Eu posso acreditar que você está levando meu coração
Aos pedaços?

Perdidos num céu preenchido de neve nós faremos isso certo
Para sermos desfeitos agora...


Belíssima letra, não?
E tem também 'Ordinary world'...


Perfeita pra encerrar o post. Ou não?? Pelo menos eu tento...

E não choro por ontem,
há um mundo normal
que de alguma forma tenho de encontrar
e enquanto eu tentar achar meu caminho
para o mundo normal, aprenderei a sobreviver

Todo mundo é meu mundo
aprenderei a sobreviver
qualquer mundo é meu mundo
aprenderei a sobreviver



Minha alma tem o peso da luz. Tem o peso da música. Tem o peso da palavra nunca dita, prestes quem sabe a ser dita. Tem o peso de uma lembrança. Tem o peso de uma saudade. Tem o peso de um olhar. Pesa como pesa uma ausência. E a lágrima que não se chorou. Tem o imaterial peso da solidão no meio de outros.
Clarice Lispector

Thank you for loving me



Essa aí tem estória... rsrs Tem muuuuito de mim. Gostaria mesmo de tê-la escrito e creio que se fosse fazer o clip não mudaria em nada. Beira a perfeição. E quer saber? Não é nada, nada fácil.

Em tempo: adoro a cena da noiva escadaria abaixo... Mas já tinha atirado as flores longe lá no começo! E tenho que admitir, Bon Jovi é Bon Jovi. Desculpa a redundância.

Aproveitando a deixa - já que estou na fase videográfica bloguística (nem sei se isso existe! lá vou eu...) - minha vida sempre teve trilha sonora. Meus sonhos tem trilha sonora e eu, sem música, não sou ninguém. Algumas tocam mesmo lá no fundo, outras simplesmente passam, mas tem umas - no meu caso muitas, visto o meu jeito caleidoscópico de ser - que chegam a doer a alma. Essas, confesso, muitas vezes evito. E eu nem mesmo sei bem porquê.

Eu me escondo nas músicas, eu me revelo nas músicas, eu me refaço nelas e me desfaço também. E cada uma delas que faz parte da trilha sonora da minha vida, carrega um pedaço significativo da minha alma, por isso o grau de importância que dou. Por isso me magoa a presença em determinadas situações. Não sei. Devo mesmo ser idiota.

Tenho uma memória desgraçadamente gigantesca, boa até dizer chega e isso me atrapalha pra caramba. Imagina então a minha trilha sonora. Quer um exemplo? Dou mais. A primeira música que ouvi na vida e de que tenho lembrança foi 'O sole mio', cantada, obviamente pelo meu avô Guilherme. 'Escravos de Jó' aprendi no jardim da casa de meus pais com minha tia irmã de minha mãe. Naquela época tinha um cão chamado Snoopy e um viveiro de codornas em casa. Deve já imaginar a idade que tinha, não? 'Primeiros Erros' - lembra disso? - cantávamos no corredor de saída do colégio.

A primeira música especial mesmo da minha vida foi 'Como eu quero'. É. Kid Abelha. Foi a primeira vez que cantei num microfone. rsrs E nem sabia a letra. Um loiro azedo que tocava guitarra e se achava o máximo naquela época (e quem não se achava???) escreveu numa folha de caderno e foi a experiência mais deliciosa que tive na minha vida. Acho que a partir daí comecei mesmo a levar à sério a estória da música na minha trilha sonora.



E veio Police (Every Breath You Take, pra mim, é perfeita em todos os sentidos e carrego na alma marcada a ferro e fogo mesmo!), Bon Jovi, Aerosmith, Whitesnake, Marillion e mais de uma centena de outras bandas...

Não podia esquecer 'Crazy for You' que cantei no aniversário de quinze anos da Tati... num vestido cor de rosa pra lá de desgraçado!

Na faculdade, era 'When the saints go marching in' nos corredores, as baladinhas de Elvis na lanchonete, jeans, camiseta branca, tênis e jaqueta de couro. Ao melhor estilo James Dean. E ali a gente também se achava o máximo! rs

Lá fora, 'Amazing Grace', era o topo das músicas mais cantadas. Triste? Canta a dita. Feliz? Canta a dita! Meia boca? Canta a dita! Saudades? Putz... The Police, A-ha, U2, Bryan Adams... caraca. Aí ferrou geral! Um mês de chororô com certeza. E se arrastando pra não parar. Dia de runway... catwalk, baby... enxuga as lágrimas e brilha! E lá dentro doía a alma, mas o dever me chama, então, vamos lá!

E veio Seal, numa Inglaterra de mau tempo e bons amigos. 'Crazy'. É, só sendo louca mesmo pra seguir um ritmo acelerado de um lado e paranoicamente parado de outro. Duas em uma. E eu fugiiiiiiia de mim que nem o diabo da cruz! rsrs O cara que mais ouvia as minhas mágoas era gay e feliz. E me fazia sorrir com a imitação de Lucille Ball. Era o máximo. I Love Lucy nem era da nossa época, mas ele era perfeito nisso. E tinha um vozerão maneiríssimo. Que coisa! Cantava 'Raindrops keep falling on my head' toda vez que eu vinha com aquela cara de choro. Nossa! Como eu desaguei! Mas depois de um tempo você aprende que tem que disfarçar determinados sentimentos sombrios e obscuros porque senão ninguém te agüenta. E eu me dei bem nessa.

'Luna Rossa' era a mais cantada pelas cinco cajazeiras que dividiam o espaço italiano modelar (olha eu criando termo). Cinco gurias que mal sabiam da vida, começando a modelar num lugar estranho, mas bacaninha. Experiência impagável. E a gente seguia pelas vielas de braços dados e levantando as pernas como em musical da Brodway. Ridículas. Todas. E tinha Claudio Baglioni e outros caras bons de se ouvir. Ah, e a gente usava boina, chapéu, óculos escuros, sobre-tudo, botas cano longo e echarpes imensas... Quanto salto ficou fincado no meio do calçadão... E a gente voltava descalça e...

E 'a luna rossa mme parla 'e te,
i' lle domando si aspietta a me,
e mme risponne: "Si 'o vvuó' sapé,
ccá nun ce sta nisciuna."

E i' chiammo 'o nomme pe' te vedé,
ma tutt''a gente ca parla 'e te,
risponne: "E' tarde che vuó' sapé?
Ccá nun ce sta nisciuna!"


No meu casamento cantei 'Unforgetable' e viajei looooonge... Longe mesmo. Fechei os olhos e mandei ver! rsrs E veio 'When I fall in love' (when I fall in love, it will be forever, or I'll never fall in love... rsrs). Mico? Dos grandes...

'Impossível', Biquini Cavadão (primeiro show que assisti na vida foi deles), Capital Inicial (o segundo)... E por aí vai.

Se você me perguntar a roupa que as pessoas estavam usando em determinados momentos que foram importantes pra mim eu vou responder sem precisar pensar. E em todos eles havia música. Então, pra cada momento, uma música. Pra cada música, um pensamento. Pra cada pensamento... haja memória. E esse é um dos motivos desse blog se chamar 'haja hoje para tanto ontem'. Talvez eu viva mesmo de memórias. Talvez isso não seja bom, talvez seja. Não sei. O que é bom? O que pode ser bom pra mim pode não ser pra você e respeito isso.

Eu tenho o meu tempo. Você tem o seu. Cada um tem um tempo que lhe é de direito ou que se dá por opção. Se isso é bom ou ruim... não sei. Só o tempo dirá.

Mas a música que move mesmo a minha vida e que revela tudo aquilo que sou é mesmo 'The book of my life', do Sting. Sou eu escrita em linhas e duras penas. E sei que já postei algumas vezes a letra.



Melhor parar por aqui... antes que me dê um treco de vez! Vou, mas vou cantando:
Every breath you take
Every move you make
Every bond you brake
Every step you take
I'll be watching you

Every single day
Every word you say
Every game you play
Every night you stay
I'll be watching you

http://br.youtube.com/watch?v=WFOiXfYCwQE (incorporação desativada, infelizmente)