sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

Como reconhecer um... cafajeste

Não deu pra resistir. Tomei emprestada a reportagem da revista Marie Claire n°214 (p. 48-52), que tem na capa a belíssima Angelina Jolie.
(...)
Como reconhecer um...cafajeste
(...)Para começar, o tipo cafajeste é realmente sedutor - e, se nossa autoestima estiver baixa e a carência, alta, ele vai parecer ainda mais irresistível. "O cafajeste é propaganda enganosa", diz Fabrício Carpinejar, autor do livro de crônicas "Canalha!" (ed. Bertrand Brasil). Para ele, a mulher que se deixa levar pelo "cafa" é carente e pouco exigente. "Como ele cria um papel, e certamente será desmascarado, procura as mais ingênuas. Assim, a farsa dura mais."

Segundo a antropóloga Mirian Goldenberg, autora de livros como "Coroas - Corpo, Envelhecimento, Casamento e Infidelidade" (ed. Record), esse tipo é competente para satisfazer o desejo de toda mulher de ter um homem que a faça se sentir única e insubstituível. "O cafajeste conhece a técnica de sedução para conseguir que tanto a esposa quanto a amante, ou várias namoradas, acreditem que são 'o amor da vida dele'", afirma Mirian. Ainda que alguma delas note pistas de que ele não está sendo sincero, é quase certo que se apegue à idéia de que "comigo vai ser diferente, meu amor irá mudá-lo". Um erro. "Só mudarão os falsos cafajestes" ,diz a psiquiatra e psicanalista francesa Marie-France Hirigoyen, autora de "A Violência no Casal" (ed. Bertrand Brasil). "O verdadeiro não pode ser transformado porque tem necessidade de esmagar o outro para existir."

Até o rótulo de cafajeste, um tanto genérico, contribui para sermos atraídas para emboscadas. Acontece que os "cafas" não seguem um único script. Ao contrário, podem assumir diferentes personagens, tornando mais difícil desmascará-los antes de o estrago estar feito. Como medida preventiva, confira suas várias faces. Talvez dê para enxergar o sinal amarelo a tempo de frear na próxima vez em que um deles cruzar o seu caminho.

O insensível
Ele é como um marinheiro, em constantes viagens pelo mundo. Não quer envolvimento, apenas curtir momentos ao lado de uma mulher, sempre com o olhar voltado para o horizonte, já pensando no próximo porto. Existe alguém mais irresistível do que esse aventureiro insensível, cheio de histórias e perfumes de diferentes lugares, com o dom de desaparecer antes mesmo de o romance ter começado? Ele pode ser visto como um cafajeste, mas tambbém como um herói. O problema é que só trabalha em causa própria. Você sofre porque ele some justamente quando está apaixonada e envolvida. O que ele pode fazer, se nunca lhe prometeu nada e o amor nem é o seu objetivo? No fundo não há como censurá-lo.
Por que ele é assim? Pode ser que esteja se protegendo do amor ou que esse sentimento não lhe diga nada."Para dar e receber amor, é preciso, antes de mais nada, ter essa cultura", diz o psiquiatra francês Serge Hefez. "Isso significa ter sido amado o suficiente quando criança. Mas, frequentemente, esses homens nem sabem o que é o amor. Alguns estão absorvidos demais em si mesmos, outros estão apenas em busca de qualquer coisa que os leve embora. Nos dois casos, a relação de amor é vista como egocentrismo ou freia suas aventuras."

O predador
Consumista, enxerga as mulheres expostas em uma arara e com uma data de validade que raramente ultrapassa um fim de semana. Ama o romance pronta-entrega e pode até ser grosseiro ou agressivo ao receber uma recus. Acha-se irresitível e seduz com frases do tipo "Eu sinto algo especial entre nós". Gosta de ostentar, coleciona cartões de crédito e ama espelhos no quarto para se ver em ação. Ele "caça" mesmo acompanhado e é capaz de trair sua mulher com a melhor amiga dela. Nos sites de relacionamento, procura variados perfis (ou seja, qualquer uma) e está sempre disposto a fazer promessas de amor eterno.
Por que ele é assim? Tem a autoestima baixíssima e, por ser desprovido de amor-próprio, trata suas mulheres com o mesmo desprezo. Como inconscientemente acredita não merecer quem seduz, sabota a rlação. Mas há outra possibilidade: amar não é sua prioridade. Já que as ambições profissionais e/ou sociais ocupam todo o seu tempo, o sexo sem envolvimento basta para ele.

O dominador
Sufoca, esmaga e destrói. É o ás das críticas e, na intimidade ou em público, sabe desvalorizar sua mulher como ninguém. Os três quilos perdidos são "comemorados" com a desagradável frase "Você não tem mais peitos". Convencido de que é um erudito, impõe seu ponte de vista como e fosse um especialista, seja qual for o tema em pauta, de geopolítica a coloração de cabelos. A parceira acaba se anulando e desenvolvendo ferrenha autocensura.
Por que ele é assim? "Sua sobrevivência psíquica parece estar ligada à depreciação dos outros. Ele é como alguém que se agofa e esmaga a cabeça do seu salva-vidas para sobreviver", compara a terapeuta comportamental Isabelle Nazaré-Aga, da França. Ao oprimir o outro, ele se sente poderoso. Não raro, esse homem se acha a parte inferior do casal, seja porque seu trabalho é menos valorizado e ele ganha menso ou porque seu grua de instrução é menor do que o da parceira.

O narcisista
Charmoso e cativante aé o momento em que você cometer o "erro" de ter problemas. diante de depressão, doenças, dificuldades no trabalho, desemprego e afins, ele sai pela tangente. É que ele não suporta qualquer coisa que possa provocar máculas à própria imagem e sonha em formar um casal tão perfeito que faria o Ken e a Barbie morrerem de inveja. Enão, se você não está mais em forma - ou, pior, ele julga que nunca esteve -, "procurará outro alguém com quem poderá passar uma imagem que lhe permita continuar em seu pedestal", diz Marie-France.
Por que ele é assim? "Espera que o casal cure seu mal-estar interior. O que oferece não é nada além de um amor narcisista e é difícil distinguir a adoração do ser amado da adoração de si mesmo", afirma Marie-France. Hefez completa: "Ele não tem autoestima devido a decepções precoces. Mal-amado, não-amado, rejeitado, o que resta senão amar a si mesmo?"

O medroso
O amor é encarado como contratempo. Pode se mostrar atencioso, amável, feliz em interagir com seus amigos e sempre disposto a fazer declarações. Mas, quando perceber que você está pronta a transformar o "eu" em "nós", entrará em pânico e se tornará distante ou sumirá. Recusará por e-mail!) até os programas que ele mesmo planejou com você. Pode até cancelar um casamento marcado. Você não poderá fazer nada, pois o problema é com ele mesmo.
Por que ele é assim? "Tem medo de se peerder e ser engolido pelo amor, de ser abandonado ou traído", afirma Marie-France. "Sua infância não o permitiu elaborar bases suficientemente sólidas para que seu narcisismo aceite que amar é também correr o risco de sofrer. Como as relações afetivas não oferecem garantias, alguns preferem fugir. Outros se tornam agressivos para mascarar o menininho amedrontado dentro dele."

O mentiroso
Nunca sabe o nome do hotel que esteve agora há pouco nem lembra seu número de telefone para avisar que vai demorar. Quando muito, é possível alcançá-lo no celular. Se você o questiona sobre as reuniões repentinas aos omingos, ele contra-ataca: "Para fazer uma pergunta dessas, você deve ter algo a esconder!" Marie-France analisa: "Seu objetivo é sempre estar por cima. Assim, desestabiliza a mulher e a leva a duvidar da veracidade daquilo que acaba de acontecer ou de ser dito."
Por que ele é assim? Porque funciona para ele. Esse homem ama a si mesmo e seu único objetivo éo próprio conforto, por isso adapta os cenários às suas necessidades. Pouco importa o que o outro sente. Ele construiu uma imagem negativa das mulheres, que vê como poderosas, logo perigosas. Então, na presença delas, se sente subjugado e reage.

O desapegado
Mantém o rídigo controle sobre si e não gosta de se arriscar. Você sempre o leva para casa (nunca cogitam ir à dele) ou a um hotel e ele parte às 3h sem explicações, cafés da manhã a dois ou aparições em público. Nunca a apresenta aos amigos nem quer conhecer os seus. Jamais tiram férias juntos. Apaixonada, você nem percebe. Até ele desaparecer.
Por que ele é assim? "O amor é visto como uma complicação a mais em um mundo já difícil e ele prefere ficar na esfera confortável das relações sem amanhã", analisa Marie-France. Outra possibilidade: ele idealiza demais e, como encontrar a perfeição e impossível, seus relacionamentos são sempre mornos. "Ele vive inconscientemente o fracasso de suas relações como se isso fosse benéfico, pois seus fantasmas e ilusões continuam intactos", diz a psicanilista francesa Sophie Cadalen.

O adolescente
Não quer crescer e abandonar os maus hábitos que aprendeu com a mamãe. Mesmo que esteja comprometido, ele continuará a se ver como um garoto solteiro. Seus amigos são suas prioridade, e tranquilamente, a abandonará um fim de semana inteiro por qualquer diversão com eles. Colocará sempre os pés na mesa e nunca os pratos na pia. O problema é que ele a vê como mamãe-empregada-gueixa.
Por que ele assim? Foi criado com a ideia de que "mulheres devem servir aos homens, consolá-los e dar-lhes estabilidade", diz Marie-France.

O perverso
Atencioso no começo, faz com que se sinta "a eleita". Como sabe fingir reciprocidade, logo a deixa viciada nele. Mas, quando você mostra que foi fisgada, seu comportamento muda. Apenas na intimidade. A sós, ele destrói sua autoconfiança, mina suas certezas, alimenta suas culpas. Em público, continua agindo como um perfeito príncipe. É sua tática para mantê-la isolada. De que adianta desabafar se ninguém acreditará em você?
Por que ele é assim? "Recusar-se a ter uma comunicação direta é sua grande arma. A mulher se vê obrigada a fazer exigências e dar respostass que levam a cometer erros. E ele sempre enfatiza esses erros para lembrar sua nulidade", avalia Marie-France. Resultado: a parceira se sente esvaziada, idiota e sozinha. O tipo destrutivo não sabe ser de outra forma. "Normalmente, foi machucado na infância e tenta sobreviver da forma como aprendeu. Para muitos, é impossível não associar amor ao ódio."

É. Pior que é verdade mesmo. Mas acrescentaria ainda um outro tipo, nem sei que nome atribuiria à ele, mas tem um pouco de todos os tipos, é um mix de todos. Esse é o pior deles, porque você jamais crê que, lá no fundo, ele não passa de um mero cafajeste. Por que ele é assim? Ah, isso eu explico em outro post porque esse já ficou longo demais e o assunto vai longe. Bem longe.

1 comentários:

Fernanda Souza Watzko disse...

Reconhecê-lo é fácil. Difícil é dizer não ao dito cujo. Emburreço e fico muda.